Observatório Social de Birigui

Últimos Artigos
recent

Um pouco mais sobre a Grande Farsa do Aquecimento Global!

Professores mal remunerados são um péssimo modo de conduzirmos o estado a anarquia, mas professores desinformados, ai é pra f...
Nas escolas nossas crianças (e assim fomos nós) são doutrinadas a acreditar em contos surreais sem o menor senso crítico, é o caso do Aquecimento Global (máquina de fortunas para ONGs), e de que o PT é o partido que trás o avanço social para os mais pobres (foi assim que acabei sendo seduzido pelo discurso do PT durante as aulas de História do professor Meranca e das aulas de Geografia do professor Messias, sem falar no ícone: professor Pascoal!). Mas deixemos o PT para os seus fanáticos, pois, mais escandalolso do que essa anedota sem graça é minha filha de nove anos fazendo pesquisas e trabalhos sobre uma das maiores mentiras contadas ao terceiro mundo: o Aquecimento Global!

Como dizia Jack, o estripador... vamos por partes!

Primeiramente, é muito importante considerar que a Terra não é o único planeta do nosso sistema solar que passa por um período de aquecimento. De fato, muitos astrônomos anunciaram que Plutão tem experimentado um aquecimento global que se trata de um fenômeno sazonal já que, como as variações das estações na Terra, alteraram as condições hemisféricas com a variação da inclinação em relação ao Sol. Devemos recordar que é o Sol que determina as nossas estações e que tem verdadeiramente o maior impacto no clima do que poderíamos alguma vez supor.

Em Maio de 2006, um relatório revelou que ocorreu em Júpiter uma tempestade, semelhante a um furacão, que deve ter causado uma alteração climática no planeta com um aumento de temperatura de 10 graus Celsius. A National Geographic News publicou um relatório que afirma ser a simultaneidade dos aumentos de temperatura na Terra e em Marte uma indicação de um fenômeno climático natural em vez de provocado pelo Homem. O relatório acrescenta ter a NASA afirmado que os mantos gelados de dióxido de carbono de Marte derreteram há poucos anos.

Este fenômeno soa a algo familiar? Um observatório astronômico da Rússia declarou que "estes fatos observados em Marte são uma prova de que o aquecimento global terrestre está a ser causado pelas alterações verificadas no Sol". Afirmou ainda que tanto Marte como a Terra, através das suas histórias, têm conhecido idades de gelo periódicas quando o clima muda de forma contínua. A NASA tem observado também tempestades maciças em Saturno que indicam alterações do clima que estão a acontecer naquele planeta.

O telescópio espacial Hubble, da NASA, tem registado alterações climáticas maciças em Tritão, o maior satélite lunar de Neptuno. Tritão, cuja superfície já foi constituída por azoto gelado, roda agora envolvido em gás. A Associated Press relatou que os satélites [meteorológicos] que medem a temperatura solar têm registado um aumento da sua temperatura, significando que a radiação solar está a aumentar.

O London Telegraph noticiou em 2004 que o aquecimento global era devido ao aumento da temperatura do Sol que está mais alta do que nunca desde há mil anos. A notícia referia que esta conclusão fora obtida em investigações conduzidas por cientistas alemães e suíços que afirmaram ser o aumento da radiação solar a causa das alterações climáticas.

Para aqueles que viram o documentário de Al Gore, aquilo era muito convincente quanto à hipótese do aquecimento global ser um fenômeno desencadeado pelo Homem com o potencial de matar toda a gente e acabar com a humanidade. Apesar de tudo, o filme foi preenchido com gráficos e mapas, de modo a parecer verdadeiro. Comecemos por algo que é indiscutível. Al Gore não é um climatologista, meteorologista, astrônomo ou um cientista de qualquer ramo. Ele é um político. E como todos sabemos, os políticos dizem "sempre" a verdade. No entanto, como a popularidade de Al Gore cresceu com o recente prêmio da Academia [de Hollywood] pelo seu filme, o tema subiu em espiral com um impulso forte para uma acção rápida e um debate acalorado, forçando muitos cientistas a falar e a questionar a política do status quo.

Um grupo de cientistas disse recentemente que o que está por trás do filme de Al Gore, como o conceito do aquecimento global provocado pelos gases com efeito de estufa, era "uma fraude". Afirmam, de fato, que existe uma prova muito fraca para sustentar aquela teoria e que a prova [forte] aponta atualmente para o aumento da atividade solar como causa das alterações climáticas. No filme de Al Gore apresenta-se a prova dos cilindros de gelo retirados do Antárctico como demonstrativa da teoria de ser o [aumento da concentração do] CO2 a causa do aumento da temperatura.

No entanto, este grupo de cientistas afirma que "períodos mais quentes na história da Terra sucederam 800 anos antes do aumento da concentração do dióxido de carbono", significando que o crescimento da concentração se atrasa em relação ao da temperatura. Isto é, as emissões [naturais] crescem com um atraso de 800 anos em relação ao aumento da temperatura.

O grupo salienta também que "após a Segunda Guerra Mundial verificou-se um aumento significativo de emissões de dióxido de carbono [acompanhando a explosão econômica da reconstrução europeia] e, contudo, a temperatura média global baixou durante [cerca de] quatro décadas seguidas, a partir de 1940." Chamam ainda a atenção para o fato de a ONU [IPCC] reivindicar a participação de 2000 cientistas líderes internacionais na redacção de um relatório [sumário editado em Fevereiro de 2007], o que é outra fraude, quando se sabe que a lista contém nomes de cientistas que pediram para serem retirados dela por não estarem de acordo com as conclusões [apresentadas publicamente].

Timothy Ball, um dos primeiros canadianos doutorados em climatologia, escreveu recentemente um artigo onde se admira de ninguém escutar os cientistas que afirmam que o aquecimento global NÃO É devido ao Homem. Começa por dizer "Acredite-se ou não, o aquecimento global não é devido à contribuição humana para a concentração atmosférica do dióxido de carbono. Estamos perante o maior erro da história da ciência". Continua "Desperdiçamos tempo, energia, e milhares de milhões de dólares e criamos medo e consternação desnecessários num tema sem justificação científica". Menciona os milhares de milhões gastos em propaganda pelo Departamento do Ambiente do Canadá que defende "uma posição científica indefensável, enquanto ao mesmo tempo fecha estações meteorológicas e falha na legislação de medidas contra a poluição".

O Dr. Ball levanta uma questão interessante, que todos deveriam ter em consideração, quando há cerca de 30 anos, nos anos 1970, [os mesmos] falavam no "arrefecimento global", alarmavam com a implicação deste nas nossas vidas, nas de outras espécies, e na própria sobrevivência que estava ameaçada. É interessante como se parece com o atual alarido dos políticos canadianos.

Ball continua a explicar que as alterações climáticas ocorrem como sempre ocorreram devido [essencialmente] às variações da temperatura do Sol. Explica que estamos ainda a sair do que se designa por Pequena Idade do Gelo e que a história da Terra é fértil em alterações do clima. O que o clima faz atualmente é o que sempre fez, isto é, altera-se. O Dr. Ball afirma que "não há nada de incomum no que está a acontecer" e que "é contrário ao alarmismo que se anunciava com o arrefecimento global e ao que se anuncia agora com o aquecimento global."

O Dr. Timothy Ball escreveu mais tarde, ao comentar os problemas que se levantam aos cientistas que são contra o discurso oficial, que "Infelizmente, a minha experiência mostra que as universidades se tornaram dogmáticas e repressivas dentro da nossa sociedade. Esta posição tem-se vindo a tornar cada vez pior na medida em que elas recebem cada vez mais subsídios governamentais por defenderem o ponto de vista oficial".

Menciona ainda que "foi acusado, pelo ambientalista canadiano David Suzuki, de ser pago pelas petrolíferas". Conclui apontando autores que se afirmam continuadamente contra o mito do aquecimento global de origem humana. É o caso de Michael Crichton [que se interessa também, embora médico, pela ciência climática] que escreveu o livro «Estado de Pânico» onde explica a imprecisão científica que está por de trás do mito. Um outro proeminente cientista apontado é Richard Lindzen, físico da atmosfera, professor de meteorologia do MIT, que fala frequentemente em público contra a teoria do aquecimento devido aos humanos mesmo que não o queiram escutar.

Você leu certo: Farsa do Aquecimento Global! Aí vai uma informação para você: a informação (“científica”) de que o aquecimento aglobal que estamos vivenciando atualmente é nossa próprio culpa (seres humanos) é falsa! Quando, no domingo, você assiste vídeos importados e mal traduzidos no Fantástico mostrando “cubinhos escuros” (CO2) subindo à atmosfera e causando o aquecimento global, isso é mentira!

É natural que sua primeira reação seja negar tudo isso. Afinal, não é possível que essas boas pessoas, esses totalmente sinceros e verdadeiros apresentadores, jornalistas, pseudo-cientistas e estudiosos do mundo inteiro estejam enganados (para não falar “estejam mentindo”). Mas quer saber? Isso teve origem quando o Reino Unido e os Estados Unidos tiveram que se curvar aos grandes produtores de petróleo do Oriente Médio no final da década de 70.


Margaret Thatcher foi brilhante ao convocar seus cientistas para que, de alguma forma, demostrassem que o combustível fóssil fosse uma péssima opção, de maneira que o desenvolvimento de energias alternativas, mais complexas e caras, ficassem fora do alcance dos países subdesenvolvidos! Sacaram! Diminuir a competição, bicho! Deixa eu te perguntar: você procurou estudar e conhecer mais facetas dessa informação repetitiva, massante e manipulada que despejam quase que diariamente sobre o aquecimento global ou se limitou ao que viu na TV?

Ah, o que você quer são evidências? Então dê uma olhada no gráfico abaixo retirado do site Cryosphere Today que mostra como estávamos de gelo sobre o mar no Ártico e na Antártida, desde 1979. Clique sobre para vizualizá-lo melhor, com toda a riqueza dos detalhes.
Na mosca né! Se somamos os 13,04 milhões de quilômetros quadrados de gelo apontados ontem sobre o Ártico com os 4,84 milhões de quilômetros quadrados de gelo ontem sobre o mar em volta da Antártida, chegamos a 17,88 milhões de quilômetros quadrados de gelo com mais de 2 metros de espessura sobre os oceanos do planeta, praticamente a média desde 1979, mas estamos subindo… Isso equivale a 2,1 vezes o tamanho do território do Brasil.

Se ainda não é o suficiente, leia na íntegra a carta que 50 especialistas da NASA, com mais de 1000 anos de experiência profissional combinada, enviaram recentemente a seguinte carta ao seu administrador:
Ao Honorável Charles Bolden, Jr.
Administrador da NASA
NASA Headquarters
Washington, D.C. 20546-0001

Caro Charlie,

Nós, abaixo assinados, respeitosamente pedimos que a NASA e o Instituto Goddard para Estudos Espaciais (GISS) se abstenham da inclusão de observações não comprovadas em publicações e sites. Acreditamos que as reivindicações da NASA e do GISS de que o dióxido de carbono produzido pela atividade humana tem causado um impacto catastrófico nas mudanças climáticas globais não são fundamentadas, especialmente quando se considera milhares de anos de dados empíricos. Com centenas de cientistas do clima bem conhecidos e dezenas de milhares de outros cientistas que declaram publicamente sua descrença nas previsões catastróficas, vindo especialmente da liderança do GISS, é claro que a ciência não está resolvida.

A defesa desenfreada de que o CO2 tem sido a principal causa das mudanças climáticas não é própria da história da NASA, de fazer uma avaliação objetiva de todos os dados científicos disponíveis antes de tomar decisões ou fazer declarações públicas.

Como ex-funcionários da NASA, sentimos que a defesa da NASA de uma posição extrema, antes de um estudo aprofundado dos enormes impactos possíveis das variações naturais do clima, não é apropriada. Pedimos que a NASA se abstenha de incluir observações não comprovadas e sem suporte em futuras publicações e em sites sobre o assunto. Há risco de danos à ilibada reputação da NASA, dos atuais e dos antigos cientistas da NASA e de seus funcionários, e até mesmo à reputação da própria ciência.

Para obter informações adicionais sobre a ciência por trás da nossa preocupação, recomendamos que você entre em contato com Harrison Schmitt ou Walter Cunningham, ou outros que eles possam recomendar a você.

Obrigado por considerar este pedido.

Atenciosamente,
1. Jack Barneburg, Jack – JSC, Space Shuttle Structures, Engineering Directorate, 34 anos
2. Larry Bell – JSC, Mgr. Crew Systems Div., Engineering Directorate, 32 anos
3. Dr. Donald Bogard – JSC, Principal Investigator, Science Directorate, 41 anos
4. Jerry C. Bostick – JSC, Principal Investigator, Science Directorate, 23 anos
5. Dr. Phillip K. Chapman – JSC, Scientist – astronaut, 5 anos
6. Michael F. Collins, JSC, Chief, Flight Design and Dynamics Division, MOD, 41 anos
7. Dr. Kenneth Cox – JSC, Chief Flight Dynamics Div., Engr. Directorate, 40 anos
8. Walter Cunningham – JSC, Astronaut, Apollo 7, 8 anos
9. Dr. Donald M. Curry – JSC, Mgr. Shuttle Leading Edge, Thermal Protection Sys., Engr. Dir., 44 anos
10. Leroy Day – Hdq. Deputy Director, Space Shuttle Program, 19 anos
11. Dr. Henry P. Decell, Jr. – JSC, Chief, Theory & Analysis Office, 5 anos
12. Charles F. Deiterich – JSC, Mgr., Flight Operations Integration, MOD, 30 anos
13. Dr. Harold Doiron – JSC, Chairman, Shuttle Pogo Prevention Panel, 16 anos
14. Charles Duke – JSC, Astronaut, Apollo 16, 10 anos
15. Anita Gale
16. Grace Germany – JSC, Program Analyst, 35 anos
17. Ed Gibson – JSC, Astronaut Skylab 4, 14 anos
18. Richard Gordon – JSC, Astronaut, Gemini Xi, Apollo 12, 9 anos
19. Gerald C. Griffin – JSC, Apollo Flight Director, and Director of Johnson Space Center, 22 anos
20. Thomas M. Grubbs – JSC, Chief, Aircraft Maintenance and Engineering Branch, 31 anos
21. Thomas J. Harmon
22. David W. Heath – JSC, Reentry Specialist, MOD, 30 anos
23. Miguel A. Hernandez, Jr. – JSC, Flight crew training and operations, 3 anos
24. James R. Roundtree – JSC Branch Chief, 26 anos
25. Enoch Jones – JSC, Mgr. SE&I, Shuttle Program Office, 26 anos
26. Dr. Joseph Kerwin – JSC, Astronaut, Skylab 2, Director of Space and Life Sciences, 22 anos
27. Jack Knight – JSC, Chief, Advanced Operations and Development Division, MOD, 40 anos
28. Dr. Christopher C. Kraft – JSC, Apollo Flight Director and Director of Johnson Space Center, 24 anos
29. Paul C. Kramer – JSC, Ass.t for Planning Aeroscience and Flight Mechanics Div., Egr. Dir., 34 anos
30. Alex (Skip) Larsen
31. Dr. Lubert Leger – JSC, Ass’t. Chief Materials Division, Engr. Directorate, 30 anos
32. Dr. Humbolt C. Mandell – JSC, Mgr. Shuttle Program Control and Advance Programs, 40 anos
33. Donald K. McCutchen – JSC, Project Engineer – Space Shuttle and ISS Program Offices, 33 anos
34. Thomas L. (Tom) Moser – Hdq. Dep. Assoc. Admin. & Director, Space Station Program, 28 anos
35. Dr. George Mueller – Hdq., Assoc. Adm., Office of Space Flight, 6 anos
36. Tom Ohesorge
37. James Peacock – JSC, Apollo and Shuttle Program Office, 21 anos
38. Richard McFarland – JSC, Mgr. Motion Simulators, 28 anos
39. Joseph E. Rogers – JSC, Chief, Structures and Dynamics Branch, Engr. Directorate, 40 anos
40. Bernard J. Rosenbaum – JSC, Chief Engineer, Propulsion and Power Division, Engr. Dir., 48 anos
41. Dr. Harrison (Jack) Schmitt – JSC, Astronaut Apollo 17, 10 anos
42. Gerard C. Shows – JSC, Asst. Manager, Quality Assurance, 30 anos
43. Kenneth Suit – JSC, Ass’t Mgr., Systems Integration, Space Shuttle, 37 anos
44. Robert F. Thompson – JSC, Program Manager, Space Shuttle, 44 anos
45. Frank Van Renesselaer – Hdq., Mgr. Shuttle Solid Rocket Boosters, 15 anos
46. Dr. James Visentine – JSC Materials Branch, Engineering Directorate, 30 anos
47. Manfred (Dutch) von Ehrenfried – JSC, Flight Controller; Mercury, Gemini & Apollo, MOD, 10 anos
48. George Weisskopf – JSC, Avionics Systems Division, Engineering Dir., 40 anos
49. Al Worden – JSC, Astronaut, Apollo 15, 9 anos
50. Thomas (Tom) Wysmuller – JSC, Meteorologist, 5 anos

CC: Mr. John Grunsfeld, Associate Administrator for Science
CC: Ass Mr. Chris Scolese, Director, Goddard Space Flight Center
A carta acima é uma tradução livre do blog NoTricksZone, de Pierre Gosselin. Para ver o original, clique aqui.

Nenhum comentário:

1 - Qualquer pessoa pode comentar no Blog “Um Asno”, desde que identifique-se com nome e e-mail.
a) Em hipótese alguma serão aceitos comentários anônimos.
b) Não me oponho quanto à reprodução do conteúdo, mas, por uma questão de responsabilidade quanto ao que escrevo, faço questão que a fonte seja citada.

2— Não serão aceitos no Blog “Um Asno” os comentários que:
1. Configurem qualquer tipo de crime de acordo com as leis do país;
2. Forem escritos em caixa alta (letras maiúsculas);
3. Estejam repetidos na mesma ou em notas diferentes;
4. Contenham insultos, agressões, ofensas e baixarias;
5. Reproduzam na íntegra notícias divulgadas em outros meios de comunicação;
6. Reúnam informações (e-mail, endereço, telefone e outras) de natureza nitidamente pessoais do próprio ou de terceiros;
7. Contenham links de qualquer espécie fora do contexto do artigo comentado;
8. Contenham qualquer tipo de material publicitário ou de merchandising, pessoal ou em benefício de terceiros.

Tecnologia do Blogger.