Observatório Social de Birigui

Últimos Artigos
recent

A CULPA É SEMPRE DO CAPITAL

Ricardo Augusto Felício com Jô Soares
Reproduzo o artigo publicado no Blog do Giulio Sanmartini , Prosa e Política:

Ralph J. Hofmann
Ontem saiu meu artigo (Nota de rodapé…) tecendo considerações sobre como os empregos seguiram a mão de obra barata e o custo operacional mais barato, haja visto legislações sobre emissão de carbono que tornavam o custo de operar proibitivo nos países industrializados.

Coincidentemente ontem recebi o link: Programa do Jô 02-05-2012 de uma entrevista de Jô Soares com o climatologista Ricardo Augusto Felício professor da USP (foto).
Este  segue a linha pouco popular, mas que eu tenho defendido (e eu também) de que a ciência em torno do aquecimento global não é sólida, assim como as histórias do buraco de ozônio vinculadas aos gases refrigerantes clorofluorcarbono (CFC).

A cada pergunta de Jô o cientista responde em tom de galhofa, mas dentro do que temos lido nos escritos de cientistas sérios que estão marginalizados.
Apenas uma coisa me chamou a atenção. Perguntado sobre quem estaria lucrando com o catastrofismo do efeito estufa o entrevistado respondeu com a típica reação que os americanos chamam de “knee-jerk” , que se refere ao pontapé  por reflexo que ocorre quando o medico dá aquele golpe com o martelinho de borracha no nervo logo abaixo do joelho quando uma perna está cruzada sobre a outra.

Imediatamente chamou a atenção para o fato de que “descobriram” que o CFC fazia mal à camada de ozônio quando completavam 25 anos da patente (creio que da DuPont de Nemours), ou seja se tornaria de domínio público.
Após iniciarem-se os rumores do “furo da camada de Ozônio” a titular do produto apareceu com um novo produto patenteado, muito mais caro, e que exigiu a troca de todos os equipamentos para seu aproveitamento. Então isto teria beneficiado a produtora de gás refrigerante  e os produtores de geladeiras e assemelhados.

Ora, ele estendeu isto para empresas no primeiro mundo de uma maneira geral. Os velhos industriais capitalistas seriam quem estariam fomentando o catastrofismo para vender mais produtos novos.
Isto é estranho. Uma geladeira hoje é projetada para uma vida útil de no máximo 15 anos. A média é trocar de geladeira a cada sete anos. Outros equipamentos são mais efêmeros ainda. Se  proibirem os novos gases refrigerantes hoje o mercado ainda terá de atender aos atuais equipamentos por mais 15 anos. De fato, mais de 30 anos depois da proibição do CFC ainda há estoques para atenderem geladeiras de até 40 anos de uso.

Isto se refere apenas ao aspecto do catastrofismo ligado ao lucro. Culpa de bancos e indústrias?
Porém quem realmente disseminou as teorias de efeito estufa?  Nem os banqueiros nem os industrialistas. Foram os “liberais” as “esquerdas” americanas e européias que acusaram os bancos e indústrias de destruir a terra com suas fábricas, usinas e desmatamento.

Al Gore recebeu um prêmio Nobel (logo depois foi questionado) por um filme sobre o meio ambiente que basicamente não contém ciência. Apenas opiniões não comprovadas lastreadas em estatísticas selecionadas. Al Gore é um pilar do liberalismo americano. É um inimigo dos industriais empreendedores.
Interessantemente o professor entrevistado por Jô Soares imediatamente acusa o capital. É automático e instintivo. A existência no meio acadêmico, literário e artístico parece levar uma obrigação de culpar os empreendedores e realizadores por tudo. Mesmo por campanhas errôneas desenvolvidas há décadas pela esquerda conservadora.
[Para eles] Se algo está errado tem de ser culpa do capital. Não das esquerdas que fizeram carreira às custas do dinheiro público para conferências sobre o meio ambiente.

Minha Vez...
Ufa!!! Já estava me sentindo um patinho feio lendo os comentários marinasilvistas em meu Blog.  Fico cada vez mais feliz em descobrir que não ando só por estas veredas contra a Farsa do Aquecimento Global.

Nenhum comentário:

1 - Qualquer pessoa pode comentar no Blog “Um Asno”, desde que identifique-se com nome e e-mail.
a) Em hipótese alguma serão aceitos comentários anônimos.
b) Não me oponho quanto à reprodução do conteúdo, mas, por uma questão de responsabilidade quanto ao que escrevo, faço questão que a fonte seja citada.

2— Não serão aceitos no Blog “Um Asno” os comentários que:
1. Configurem qualquer tipo de crime de acordo com as leis do país;
2. Forem escritos em caixa alta (letras maiúsculas);
3. Estejam repetidos na mesma ou em notas diferentes;
4. Contenham insultos, agressões, ofensas e baixarias;
5. Reproduzam na íntegra notícias divulgadas em outros meios de comunicação;
6. Reúnam informações (e-mail, endereço, telefone e outras) de natureza nitidamente pessoais do próprio ou de terceiros;
7. Contenham links de qualquer espécie fora do contexto do artigo comentado;
8. Contenham qualquer tipo de material publicitário ou de merchandising, pessoal ou em benefício de terceiros.

Tecnologia do Blogger.