Observatório Social de Birigui

Últimos Artigos
recent

Lula, uma criação das elites. Ou: Lula é uma invenção de Marta!

Marta Suplicy
Todos vimos a sem-cerimônia com que Luiz Inácio Lula da Silva atropelou e esmagou a pré-candidatura de Marta Suplicy (PT) à Prefeitura de São Paulo. Justo Marta, com tantos serviços relevantes prestados à causa do partido! E olhem que nem me refiro ao fato de que foi deputada, prefeita e é agora senadora — mais do que isso: sempre deu a cara ao tapa em defesa da legenda. Do que falo então? Já chego lá! Antes, algumas considerações. 

Lula atuou como se Marta fosse uma das criaturas paridas em sua mente divinal. Na condição, então, de um invento seu, de algo que ele próprio deu à luz na política, poderia ser empurrada, encostada, submetida a tarefas humilhantes. Afinal, ao demiurgo tudo! Muito especialmente a honra! Marta, no entanto, por quem nunca tive simpatia — e continuo a não ter, antes que alguns bobocas infiram que passei a chamá-la de “minha loura” —, dá sinais de que não pretende se comportar como a mulher submissa que já não existia em 1980, quando TV Mulher foi ao ar, sob o comando de Marília Gabriela. Lá se vão 32 anos! Marta era titular de um quadro que falava sobre sexo, rompendo alguns tabus. Naquele ano, também era fundado o Partido dos Trabalhadores, para ser “diferente de tudo o que está aí”.

Pode haver algo mais igual ao pior Brasil do que um coronel que impõe na base do dedaço quem será o candidato a prefeito em São Paulo ou em Recife?
Goste-se ou não do que pensa Marta Suplicy — eu, por exemplo, não gosto —, ela tem uma história de autonomia, de altivez e até de certa coragem temerária. Certamente sabia que a separação de Eduardo Suplicy em 2001 teria um custo político. Encarou a situação. Ele se excedeu em entrevistas a respeito, o doce falastrão. Marta silenciou. Lula tentou reduzi-la a uma peça descartável, a mero peão no jogo político do partido, destituída de voz e de vontade. Agiu como os maridos que já eram uma caricatura naquele longínquo 1980. Eis o busílis. Estamos começando a chegar ao ponto.

Não foi Lula quem inventou Marta. Foi Marta quem inventou Lula. Explico. A agora senadora integra um setor da elite brasileira que criou um líder dos sonhos. Se ele se fez chefe de sindicato por sua própria conta e talento — é bem verdade que o general Golbery do Couto e Silva deu uma forcinha! —, só se tornou o demiurgo, o homem capaz de encarnar a redenção dos oprimidos, na imaginação de alguns intelectuais uspianos e com o apoio de uma fatia dos bem-pensantes, de que Marta é uma das expressões.

Na narrativa que inventou inicialmente para si, Lula era um homem da sua classe — daí que sua legenda trouxesse no nome a natureza restritiva de que era composta: “dos Trabalhadores”. Era, como diz de si mesmo hoje o PSTU (e sem sucesso!), um “partido sem patrões”. Não se esqueçam de que eu conheço esse troço desde a origem… Discutia-se, por exemplo, se o dono de um pequeno comércio de bairro poderia ser um petista autêntico. Alguém objetava: “Desde que sem empregado!”. Outro não se conformava: “Mas e o lucro? Petista pode viver do lucro?”. Marilena Chaui chegou a dizer numa entrevista que não tinha empregada doméstica para não “não levar a luta de classes pra dentro de casa”!!! Os grupelhos de extrema esquerda que se juntaram aos sindicalistas de Lula e aos setores ditos “progressistas” da Igreja Católica foram dando ao líder sindical meramente reivindicador a têmpera do “socialista” — aquele que perdia eleição após eleição.

Já o Lula acima das classes, hoje  ”companheiro” do Eike Batista e dos catadores de papelão, para citar os Brasis extremos, é uma construção dos setores “conscientes” e “críticos” da elite brasileira. Marta nunca foi “socialista” evidentemente (nem Lula, diga-se!). Mas está, ao lado de Eduardo Suplicy, ex-marido, na raiz da popularização do PT. “Como, Reinaldo? O PT se popularizou à medida que atraiu alguns ricos?” Não há contradição nenhuma nisso! Ao deixar de ser um bicho-papão, rompia o isolamento inicial. Ainda hoje é mais fácil encontrar jovens petistas (ou socialistas) convictos nos colégios de São Paulo que cobram mensalidades acima de R$ 2 mil do que nas escolas públicas de Capão Redondo! “O que vale é a consciência!…” De resto, parece haver certa correlação entre o ócio e a adesão a teses de esquerda — ou “progressistas”, como se diz hoje em dia.

Lula criou o PT. Mas foram as elites críticas que criaram o “petismo”.
O Apedeuta está entre aqueles que têm menos ambição de mudar o mundo do que de dominá-lo. Isso faz uma grande diferença. Em larga medida, o pensamento realmente mudancista — ou, se quiserem, verdadeiramente revolucionário (pouco importa se boa ou má revolução) — nasce de utopistas pouco pragmáticos; trata-se de uma militância mais afeita ao cultivo de valores intelectuais, ainda que possam produzir grandes desastres. O negócio do Apedeuta é outro. É um caçador de oportunidades — era assim desde os tempos em que era líder sindical em São Bernardo. É bom lembrar que, nos estertores do regime militar, rejeitou a aliança com outras forças de oposição porque aquilo não servia à construção de sua liderança.

O que estou dizendo, meus caros, é que, ao atropelar Marta em São Paulo de maneira tão truculenta, Lula esmaga, por certo, uma parte da história individual da petista, mas também uma parte da história do seu próprio partido. E é até aritmeticamente injusto. O PT venceu na cidade uma única vez: e foi justamente com Marta — Luíza Erundina não conta porque era eleição em turno único. Atenção! Lula, ele mesmo, jamais ganhou uma eleição majoritária na cidade; sempre teve menos votos do que seus concorrentes: Montoro (quando disputou o governo de São Paulo, em 1982), Collor (1989), FHC (1994 e 1998), Serra (2002) e Alckmin (2006).

Marta vai entrar na campanha de Haddad porque os petistas sempre acabam se arranjando”, dizem alguns. Pode ser. Não vou me meter a fazer previsões nesse caso. No petismo, outas pessoas humilhadas por Lula acabaram lhe prestando, mais tarde, vassalagem. Neste texto, limito-me a demonstrar, mesmo sem ter o menor apreço político por Marta, que a sua reação tem uma história, que não se limita a mero faniquito, como deu a entender um desses estafetas do lulismo, travestido de cientista político. Mas nada impede, é evidente, que a agora senadora sacrifique a sua história no altar do lulismo. Ele é fascinado por rituais de humilhação e rendição.

Por Reinaldo Azevedo

Nenhum comentário:

1 - Qualquer pessoa pode comentar no Blog “Um Asno”, desde que identifique-se com nome e e-mail.
a) Em hipótese alguma serão aceitos comentários anônimos.
b) Não me oponho quanto à reprodução do conteúdo, mas, por uma questão de responsabilidade quanto ao que escrevo, faço questão que a fonte seja citada.

2— Não serão aceitos no Blog “Um Asno” os comentários que:
1. Configurem qualquer tipo de crime de acordo com as leis do país;
2. Forem escritos em caixa alta (letras maiúsculas);
3. Estejam repetidos na mesma ou em notas diferentes;
4. Contenham insultos, agressões, ofensas e baixarias;
5. Reproduzam na íntegra notícias divulgadas em outros meios de comunicação;
6. Reúnam informações (e-mail, endereço, telefone e outras) de natureza nitidamente pessoais do próprio ou de terceiros;
7. Contenham links de qualquer espécie fora do contexto do artigo comentado;
8. Contenham qualquer tipo de material publicitário ou de merchandising, pessoal ou em benefício de terceiros.

Tecnologia do Blogger.