Observatório Social de Birigui

Últimos Artigos
recent

UNIESP de Birigui: Golpista ou Universidade Popular Inovadora?

Fernando Costa - Um Asno
Recebi quatro manifestações quanto ao artigo que escrevi sobre a UNIESP (União Nacional das Instituições de Ensino Superior Privadas), de Birigui (link aqui). Vamos por partes... Segundo o site da UNIESP, "Sua responsabilidade é proporcionar a oportunidade de ingressar no Ensino Superior, por meio de convênios firmados com instituições de renome, de parcerias e de programas e projetos sociais, à população das 53 cidades no Estado de São Paulo, das 2 no Estado do Rio de Janeiro, de 1 no Estado do Tocantins, de 1 no Estado da Bahia, de 1 no Estado de Minas Gerais, das 6 no Estado do Paraná, das 4 no Estado de Santa Catarina e das 4 no Estado do Mato Grosso do Sul". Seriam, pelo menos, 74 instituições! Até 04 de março de 2012 eram 43, segundo matéria do jornal Folha de São Paulo (link aqui). Voltando ao site da UNIESP lemos: "A expansão que temos tido ao longo desses anos é o reconhecimento pela busca constante de qualidade de ensino, a qual o Grupo Educacional UNIESP mantém por meio de um quadro docente qualificado, de instalações adequadas para o ensino e o atendimento às normas do Ministério da Educação". 

Se o dinheiro auferido mediante o que a instituição chama de "Novo Fies" fosse mesmo utilizado para garantir um "ensino de qualidade" e "instalações adequadas", eu seria o primeiro a defender a instituição. Mas, ao que parece, não é bem assim... No início de 2012 o Ministério da Educação abriu investigação contra Grupo Educacional UNIESP, à época com 43 faculdades, que prometia pagar o Fies (Financiamento Estudantil) dos seus estudantes, oferecendo o curso inteiramente grátis. O problema apontado pelo ministério é que a Uniesp, estava proibida de oferecer o financiamento federal em ao menos 17 das faculdades, por irregularidades anteriores. Segundo o MEC, a instituição usou cursos regularmente cadastrados para emitir financiamento a alunos de carreiras que ainda não possuíam o cadastro no Fies. A Caixa Econômica Federal, então, financiadora do programa Fies, classificou a situação como "fraude". O temor do MEC era de que o grupo utilizasse o volume de alunos atraído pelos cursos grátis para pressionar a liberação do financiamento. Até aquela época, o grupo possuía 65 mil alunos, mas o "sucesso" de sua proposta pode ser verificado no gráfico abaixo fornecido no próprio site do grupo.

Crescimento Uniesp - Um Asno

A Uniesp, desde então, veio bancando os alunos com Fies suspensos, buscando reverter as sanções. José Fernando Pinto Costaresponsável pelo grupo, afirmou que a Uniesp continuaria lutando para oferecer a oportunidade de "colocar o estudante pobre no ensino superior". Seria outra falácia, já que existem vários alunos recebendo o financiamento sem a menor necessidade. Ou seja, há ainda a fraude por parte de alguns alunos que não se enquadrariam no programa de financiamento estudantil, mas que recebem o benefício mesmo trabalhando e auferindo renda superior ao que é admitido. Desde o dia 1º de abril de 2011 várias unidades da instituição estão proibidas pelo Ministério da Educação (MEC) de oferecer o Fies, entretanto, mesmo não podendo fazer o financiamento, segundo investigações do Ministério Público, o grupo educacional tem burlado a determinação de modo fraudulento.

Por exemplo
A Faculdade de Presidente Prudente integra o Instituto Educacional do Estado de São Paulo (Iesp), uma das 18 mantenedoras que o Grupo Uniesp detém no Brasil e que, só ela, tem 16 unidades, dentre as quais estão também a de Presidente Epitácio e Presidente Venceslau, além de uma para funcionar em DracenaO MEC revelou que o Iesp foi o primeiro do grupo a ser proibido de oferecer o Fies, há quase 3 anos, mas como foi constatada desobediência à determinação e continuidade nas denúncias do gênero, a suspensão foi estendida, em junho de 2012, a todas as unidades do Grupo Uniesp até que sejam concluídas as investigações em andamento no Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e na Secretaria de Educação Superior (Sesu). Com os indícios de fraude, o Ministério Público Federal e a Polícia Federal, além do próprio Sesu, passaram a investigar a instituição. Dentre as várias denúncias, os principais pontos de apuração são o programa Uniesp Solidária, em que a faculdade se compromete a pagar o Fies do aluno, bem como a incidência de mensalidades majoradas e convênios com igrejas e outras instituições para captação de estudantes para adesão ao financiamento com o MEC.

No caso de Presidente Venceslau, segundo a promotoria local, a Uniesp, faz propaganda enganosa para conseguir alunos e usa de artifícios para que não cumpra o que foi divulgado“Eles divulgam anúncios dizendo que a Uniesp irá pagar o Fies do aluno, que se matricula interessado no benefício. Ele assina um contrato de garantia na instituição, mas o documento não é apresentado quando ele vai ao banco. Portanto, o acordo é assinado em seu próprio nome com o governo federal, ficando a faculdade fora do convênio. Depois, o aluno é levado para assinar um termo de confissão de dívida em branco, fornecido pela faculdade, onde ele reafirma o que está escrito no contrato, que ele é o responsável em pagar a conta com o MEC. A faculdade usa de má fé”, explica o promotor, que conseguiu uma liminar proibindo as propagandas do "Uniesp paga” em Venceslau.

O inquérito cita ainda outras maneiras que o grupo usa para burlar a proibição do MEC de contratar o Fies. O grupo usaria outro expediente matriculando alunos em cidades distintas , supostamente, alegando travamento de cotas, mas o que estaria sendo apurado é que trocam de localidade cada vez que uma universidade é suspensa por irregularidades. Além disso, o Ministério Público aponta no processo a majoração das mensalidades e dos períodos dos cursos para a instituição de ensino receber a mais do FNDE pelos contratos do Fies, quando assinados. No inquérito, o promotor cita uma aluna identificada como Maria de Lourdes. A mensalidade dela passou de R$ 390 para R$ 889,74 quando conseguiu o financiamento. Um aumento de 125%, que ia apenas para a instituição. “O aluno fazia um curso de seis semestres, mas no documento da faculdade constava que o curso tinha oito termos. E era por esse período que o governo federal pagava o Fies”, resume ele.

Como funciona o esquema
Segundo aponta o Ministério Público, a Uniesp veicula propagandas com a promessa de pagar o financiamento aos alunos que conseguirem o Fies. No primeiro contato, apresentam ao estudante um valor do curso dividido em mensalidades coerentes ao mercado. Em alguns casos, teriam fornecido documentos com dados falsos ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) constando outro valor de mensalidade, cidade e curso diferentes da real matrícula do aluno, e duração do curso estendida. Geralmente, somente após um ano no curso os alunos são interpelados a formalizarem o financiamento, caso contrário não poderão fazer rematrícula ou provas. Para a Promotoria, o fato de o estudante já ter cursado um ano o força a aceitar a fraude. Casos de alunos que teriam recebido contratos constando cursos com mensalidades superiores também são analisados. A justificativa seria de que o Fies para o curso escolhido não fora aprovado e por isso teriam de optar pelo mais caro. De um total de 25 ações promovidas por alunos em Presidente Prudente, 20 deram perda de causa para a Uniesp.

A Comissão de Educação e Cultura da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) também se manifestou convidando o diretor-presidente da Uniesp, José Fernando Pinto Costa, a depor a respeito de denúncias contra esse grupo educacional. A Uniesp está sendo acusada de supostas fraudes, propaganda enganosa, cobranças abusivas de mensalidades, cancelamento de cursos sem prévio aviso, o não pagamento de direitos trabalhistas, o não recolhimento ao Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), demissão em massa, demora ‘excessiva’ na liberação da documentação de alunos etc., além de falta de segurança nos prédios adquiridos e nos laboratórios e de infraestrutura educacional, de acordo com Alesp. Além disso, o conglomerado educacional foi denunciado pela suspensão de cerca de 600 bolsas de estudo das Faculdades Integradas Paulista (Fip), da unidade Belenzinho, na capital. Esses discentes, que foram prejudicados, estudavam lá por meio do programa “Bolsa Escola da Família”, do governo estadual.

De acordo com o “Diário do Grande ABC”, cerca de 40 estudantes do Instituto Superior Santo André (Iesa) – mantido também pela Uniesp –, ainda não teriam recebido o diploma de graduação em Pedagogia, cujo curso foi concluído em dezembro de 2010, sendo que a solicitação de emissão do documento teria sido feita no início do ano seguinte. De acordo com o Sinpro-SP, a Uniesp teria comprado a Faculdade Bandeirantes (Faban), no município de Ribeirão Preto, em 2010, e demitido 56 por cento do corpo docente, supostamente, para contratar outros com salários mais baixos. E também que, a Uniesp não liberava os diplomas aos alunos que não pagassem a taxa de R$ 100.

A adesão ao programa “A UNIESP pode pagar”, no qual a própria instituição assume em cartório e por meio de um fundo próprio o compromisso de quitar o financiamento feito pelo aluno do FIES, exige que este tenha boas notas, frequência, disciplina e preste seis horas semanais de serviço voluntário na sua comunidade. Muitos alunos que desistem do programa são orientados a entrar em contato com o banco, no caso Banco do Brasil, para promover o cancelamento. Acontece que o Banco do Brasil, que faz os financiamentos já informou através de sua assessoria de imprensa, que é apenas um agente financeiro credenciado pelo MEC, atuando em conformidade com o ministério e que não se responsabiliza pelas informações que são repassadas pelas faculdades. Tudo pode ser facilmente realizado no próprio site do Fies (link aqui). Outra coisa que pode ser feita no site pelo aluno, é a conferência de quais instituições estão conveniadas com o programa.

Outro lado
Um dos alunos da Uniesp de Birigui que me procurou, manifestou indignação quanto ao que se está publicando de negativo em relação a faculdade. O aluno alega, e com razão, que tais "ruídos" prejudicam o andamento do curso, causam insegurança nos alunos e reflete na sociedade que deixa de fornecer parceiros para os projetos e eventos promovidos pelos próprios alunos. Ele me alertou para o fato de a faculdade ter informado aos alunos regulares que os alunos que entraram com ações na justiça são alunos "problema", não frequentam as aulas e não cumprem com as atividades pedagógicas. Todos eles teriam algum problema interno com a faculdade. Também justificou que a faculdade teria explicado o porque de as mensalidades serem tão altas. Seria em virtude do "Fundo Garantidor".

A preocupação do aluno tem justificativa, mas nesse caso quem não está jogando limpo? A imprensa que divulga, o FNDE, o Ministério Público, a Caixa Econômica, o MEC, ou a UNIESP? É claro que o restante da sociedade vai resistir quando um grupo tão forte aparece de tantas maneiras negativas em manifestações de órgãos tão sérios! Além do mais, poucas universidades recorrem ao tipo de expediente da Uniesp e todas se encontram na mesma situação na justiça. Isso também poderia ser um caso de concorrência desleal com as outras universidades habilitadas pelo Fies. O Fundo de Garantia de Operações de Crédito Educativo (FGEDUC), chamado de Fundo Garantidor, é uma opção para os candidatos ao FIES em que não há a necessidade de apresentação de fiadores e tem como objetivo facilitar o trâmite para a contratação do financiamento. Independente do agente financeiro escolhido, os estudantes aptos poderão fazer a opção pelo Fundo. Atualmente, são agentes financeiros do FIES a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil. Podem recorrer ao Fundo: estudantes matriculados em cursos de licenciatura; estudantes com renda familiar mensal per capita de até um salário mínimo e meio e bolsista parcial do Programa Universidade para Todos (ProUni) que opte por inscrição no FIES no mesmo curso em que é beneficiário da bolsa.

Para recorrer ao FundoGarantidor, o estudante deverá, no momento da inscrição, optar por essa modalidade verificando se a instituição na qual pretende ingressar aderiu à iniciativa, já que a adesão das instituições participantes do Fies ao Fundo é voluntária. Não é o caso! Além do mais, o fundo é previsto da seguinte maneira: 90% do fundo é de responsabilidade do FNDE e apenas 10% da unidade mantenedora (faculdade).

Não há crime ainda, senão a propaganda enganosa. Poderíamos ter uma avalanche de ações por estelionato quando, ao final dos contratos celebrados pela Uniesp e seus alunos, o referido compromisso de pagamento integral do financiamento não fosse cumprido por uma das faculdades. O que ocorre hoje, na verdade, é que os muitos alunos da faculdade tornaram-se cúmplices de um suposto ataque aos cofres públicos. São eles, os alunos, fiadores de tal procedimento que só tem enriquecido cada vez mais ao grupo que constrói mais universidades, mais salas, agrega mais cursos e conquista mais alunos e financiamentos! Pedem para que eu não prejudique ainda mais o bom trabalho que vem sendo executado na Uniesp, mas quem disse que meu objetivo é prejudicar alguém? Além d mais, como eu poderia prejudicar um grupo cujo matemática é a que segue:

Imaginem um curso, cujo custo por aluno seja de R$ 390,00. O aluno custaria para a entidade R$ 2.340,00 por semestre. Imaginem agora se o curso possui seis semestres. O Total do curso seria de  R$ 14.040,00. Agora vejam a mágica dos números! Mensalidade cobrada do Fies R$ 1.000,00; custo do semestre R$ 6.000,00; custo total de um curso cobrado por 8 semestres, conforme denúncia registrada no Ministério Público: R$ 48.000,00. Subtraindo-se o custo real, temos, R$ 33.960,00 de lucro! Especulemos que uma parcela mínima de 10% dos alunos serem matriculados segundo esse regime, ou seja, 10.693, segundo o gráfico da Uniesp. Teríamos um valor irrisório de R$ 339.600.000! Uma grana totalmente capitalizada de maneira livre, limpa e... completamente digrátis, por conta da anuência dos alunos! Seria, no mínimo, uma jogada muito esperta!

Fontes:

21 comentários:

  1. Roberlei C. M.14 maio, 2013 12:36

    O problema é ainda mais GRAVE, visto que a UNIESP em seu site http://www.uniesp.edu.br/vestibular/ informa que assumirá o pagamento do financiamento estudantil Novo FIES do Governo Federal para todos os alunos que optarem por estudar nos períodos MATUTINO e VESPERTINO, ou seja, pela MANHÃ ou à TARDE, mas ao acessar o site http://sisfiesportal.mec.gov.br/pesquisa.html onde consta a relação de faculdades e cursos, nenhuma faculdade da UNIESP tem FIES autorizado para cursos a TARDE. Então o que a UNIESP está fazendo para inlcluir os alunos da tarde no FIES? Será que está colocando nas vagas da NOITE? o aluno estuda IRREGULARMENTE a tarde e o contrato do FIES é feito para as vagas da NOITE?

    Para conferir se o seu curso realmente tem autorização para funcionar à TARDE ou pela MANHÃ acesse o o site http://emec.mec.gov.br e pesquise pelo nome da Faculdade conforme relação abaixo, pois o nome UNIESP não consta no MEC pois a UNIESP é só fachada e não é autorizada pelo MEC.

    FACULDADES de propriedade dos sócios da UNIESP

    Faculdade de São Paulo
    Faculdade de Educação e Ciências Gerenciais de São Paulo FECG-SP
    Faculdade Santa Izildinha FIESI -Cidade: São Matheus
    Faculdade do Centro Paulistano - Cidade São Paulo
    Faculdade Tijucussu -Cidade: São Caetano
    Instituto de Ensino Superior Santo Andre IESA -Cidade Santo André
    Faculdade de Presidente Prudente
    Faculdade de Presidente Venceslau
    Faculdade de São Paulo
    Faculdade de São Roque
    Faculdade de Sorocaba
    Faculdade de Taquaritinga
    Faculdade de Vargem Grande Paulista
    Faculdade do Guarujá FAGU
    Faculdade Fleming SEF -Cidade: Campinas
    Faculdade Prudente de Moras FPM -Cidade ITU
    Faculdade César Lattes -Cidade Itu
    Faculdade Jauense -Cidade Jaú
    Faculdade de Marília FAMAR -Cidade Marilia
    União das Escolas do Grupo FAIMI de Educação FAIMI - Cidade Mirassol
    Faculdade de Ribeirão Preto FABAN
    Faculdade de Rio Claro CBTA
    Faculdade de Tecnologia TECMED - Cidade S. José do Rio Preto
    Faculdade de Educação e Ciências Gerenciais de Sumaré FECGS -Cidade Sumaré
    Faculdade Brasileira de Ciências Jurídicas FBCJ -Cidade Rio de Janeiro

    ResponderExcluir
  2. Eu entrei com uma ação no Procon em relação a esses fatores, expostos neste blog, porém eles não foram prestar esclarecimentos as minhas reclamações, eu estudo na Suesc, e passamos por problemas de instalações (salas de aulas que chovem dentro, infiltrações, falta de elevadores, poeiras excessivas, alunos com problemas de locomoção que não tem como chegar as salas de aulas, falta de ventilação, as salas quando tem 3 ventiladores é muito, falta ar condicionados, e principal janelas, somos obrigados a ficarmos "entulhados" em salas apertadas sem uma única janela, dentre outros problemas visíveis). Quando fui renovar minha matricula para o próximo semestre entregaram um documento onde informava que o FIES está suspenso por uma portaria, e que nós os estudantes estávamos cientes, que a não renovação implicaria no pagamento da utilização dos períodos já cursados, eu questionei essa informação na instituição e fui tratada de forma grosseira, que poderia inclusive perder minha bolsa. Questionei o "certificado que garante o pagamento " do curso pelo grupo UNIESP, por não ter legalidade, a mesma atendente disse que em nenhum momento foi informado que o documento teria registro em cartório, porém no site da faculdade constava esta informação.
    Vários alunos serão lesados por essa instituição, assim como eu vários alunos tiveram a oportunidade de cursar um ensino superior. Nós não saberemos qual será a solução da instituição. Eles nos tratam como pessoas alienadas a seus direitos.
    Deixo aqui minha revolta e indignação, pq não só nós estudantes que estamos sendo lesados, mas toda a sociedade, pq esse dinheiro sai dos nossos impostos, nós estamos pagando pelo superfaturamento dessa instituição.

    ResponderExcluir
  3. Acho mesmo que pode ser uma fraude, Se o grupo é uma instituição a qual diz " Universidade para os pobres" Porque ao fazer o Fies, o aluno nem se quer é matriculado pela instituição, usam outro CNPJ " Uma instituição laranja" estou indignada com essa falsa propaganda! E agora que já estudei dois semestres, acho o bastante pra sair de vez dessa farsa. Quanto mais cedo abrirmos os olhos melhor! Não temos garantia nenhuma que a Uniesp vai pagar o Fies. Não vou ficar pagando pra ver prejuízo maior em 2015.

    ResponderExcluir
  4. Por favor vamos em busca da verdade, o povo brasileiro, não merece ser enganado a tal ponto!

    ResponderExcluir
  5. Eu fiz a matrícula na Uniesp de Birigui,acreditando que seria uma oportunidade na minha vida,pois a propaganda era "Você na faculdade a Uniesp paga",após tres meses estudando pediram para eu ir ao banco do Brasil assinar o Fies ,porque precisavam que os alunos assinassem para receberem o certificado e o contrato assumido que pagariam a dívida do aluno,mas nunca recebi a cópia deste contrato que assinei. A faculdade pediu para que eu assinasse no banco com a promessa de pagar apenas R$ 50 reais a cada três meses e prestar serviço voluntário.Quando procurei a faculdade para desistir no segundo semestre,eles não queriam me dar a desistência dizendo que caso eu desistisse eu teria que pagar o curso todo ,enfim depois de algumas tentativas consegui assinar o protocolo de desistência no livro da faculdade,mas eles não fizeram meu cancelamento no site do Fies,me mantendo matriculada,gerando assim uma dívida ainda maior para mim.Quando desisti procurei o banco que disse não ter nada a ver com isso e que eu deveria cancelar no site do Fies.Mas eu não conseguia acessar o site,por que eu não tinha a senha,pois foi a própria faculdade que realizou minha matrícula no site. Hoje espero por uma solução ,pois estou sendo cobrada pelo banco,meu nome está sendo colocado nos serviços de proteção ao crédito.E recebo ligações do banco para pagar os R$ 50 reais.Por isso alerto a todos que antes de assinar com o banco,tenham consciência de que é um financiamento,e é apenas seu nome que estará no contrato.Eu estou sendo totalmente prejudicada,pois nunca me imaginei numa situação como esta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu Deus estou passando pela mesma coisa! só que pior, eles disseram que eu só pagariam os 50,00 agora, disseram que se eu não fizer trabalho voluntário ou responder ao EAD, que vou ter que pagar tudo! Isso só fiquei sabendo ha dois meses! Não sei o que fazer estou com medo , me sentindo enganada, as aulas atrasam, era pra ter começado dia 03/08/2015 até agora nada... só tristeza

      Excluir
  6. Agora a faculdade mantem o nome da antiga faculdade que adquire, para que o nome UNIESP não apareça para o público. É o caso, por exemplo, da uniesp de Diadema, que depois de tanta maracutaia agora é conhecida na região como FAD (Faculdade Diadema) que é o nome antigo. Desta forma, quem passa de fora não faz nenhuma associação com UNIESP. Além disso, está sob intervenção também por usar o nome UNIESP e induzir alunos mal esclarecidos a caírem no erro de confundi-la com UNIFESP. Criando esta ilusão ela engana os alunos que só quando estão inseridos no curso é que percebem que se trata de outra faculdade, mas como já estão dentro acabam ficando por ali mesmo. A referida faculdade (Diadema, embora tenha o prédio sucateado, tem professores ótimos, o que vale muito a pena.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é verdade...eles fazem isso pq UNIESP é um grupo de empresários, não tem como eles responderem por uma instituição...e no caso de mudança de nome iria comprometer todos os cursos oferecidos pela faculdade...pois teria que ser reconhecido pelo MEC todos novamente...e isso leva muito tempo...as vezes até anos...
      Sou aluna e depois que o grupo comprou a instituição melhorou 200%...

      Excluir
    2. Kkkkkkk você deve ter problema mental seu nível intelectual não te dá capacidade de opinar Kkkkkkk

      Excluir
  7. Infelizmente na cidade de Rio Claro interior de SP mais de 300 alunos foram lesados com essa promessa " Faça Faculdade e a Uniesp Paga" é uma fraude que cada vez mais pessoas são lesadas, pois eles compram faculdades menores e usam o CNPJ dessa unidade pra aplicarem o golpe. Me admira que o Mec e o Ministerio Publico ainda não fez nada sobre isso. So gera desconfiança que tem peixe grande no meio dessa maracutaia.

    ResponderExcluir
  8. A UNIESP é um grupo de empresários que compram faculdades falidas que estão prestes a fechar suas portas, sendo assim eles não podem responder por uma instituição de ensino, é por isso que deixam o antigo nome, mesmo pq, quem sai perdendo é a instituição, na mudança de nome terá que fazer todo o processo de reconhecimento de curso, que isso leva até anos...
    A aquisição da instituição em que estudo foi a melhor coisa que aconteceu para nós e para a nossa cidade. Eu estudo e trabalho em vários projetos da mesma. A muito tempo estávamos com problemas com salários atrasados de funcionários, problemas com o INSS que o antigo mantenedor não cumpria, nossos projetos só funcionavam com a ajuda da comunidade que em dia de desenvolve-los partíamos para as ruas com a finalidade de conseguirmos recursos.
    Depois que a UNIESP assumiu a direção começaram as reformas da instituição, salários em dia dos funcionários, modernização do sistema, aproximadamente 40 caixas de livros para a biblioteca, e o melhor de tudo, nossos projetos sociais estão sendo todos pagos pela UNIESP, não foi mais necessário a nossa caminhada de porta em porta solicitar recursos para desenvolve-los.
    Encontro alunos que converso dizendo que não querem se comprometer com a instituição e que eles não vão ficar se matando de estudar e querem apenas tirar a nota necessária... Todas as instituições são obrigadas que os alunos tirem notas 3.0 ou mais no ENADE, se isso não acontecer o curso perde o reconhecimento podendo até fechar. E uma das exigências que o grupo UNIESP faz é que o aluno tire no mínimo 3.0 no Exame Nacional de Desempenho do Estudante (ENADE), para que a instituição não venha a ser prejudicada, em contra partida eles oferecem cursos preparatórios gratuitamente para as pessoas que ingressarem no FIES... Com o intuito de prepara-los para o exame do ENADE.
    As instituições que o grupo adquiri vem com inúmeros problemas dos antigos mantenedores, dentre eles dividas e problemas de certificado com o MEC, ao que tudo indica são alunos da faculdade que recém formados vem solicitar os direitos com a nova direção que é o GRUPO. Claro que depois que eles assumem eles respondem pela instituição.
    A que eu estudo está com 70 processos trabalhistas e com dividas no INSS a perder de vista, totalizando mais de R$ 3.000.000,00. O antigo mantenedor pouco se importava, só estava em funcionamento por luta da nossa sociedade e pelos alunos que vestem a camisa.
    Poucos alunos assinaram esse contrato que todos falam aqui no blog, pois o antigo mantenedor entrou na justiça solicitando a faculdade de volta depois de ver as melhorias que o GRUPO fez nela, por esse motivo foram suspensos a entrega do documento. Conversando com o advogado da UNIESP eles tem total garantia de que se o aluno cumprir todos os quesitos solicitados mediante a assinatura do contrato, eles assumem a divida. Mas muitos deles pouco se importam em cumprir seu papel de ESTUDANTE, e se acham no direito de cobrar por coisas que ele mesmo deixou a desejar.
    Eu acredito que alunos que não se informam corretamente são os que saem distribuindo noticias errôneas. Tem dúvidas, entre em contato diretamente com a direção da instituição e solicite uma conversa para esclarecimento...
    Eu venho conversando com alunos de outras filiais da UNIESP e também estão felizes com as novas facilidades que estão surgindo.

    ResponderExcluir
  9. http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/1024/noticias/a-escola-que-e-caso-de-policia

    ResponderExcluir
  10. Pior é oque eles fazem com os funcionários também, falo isso pois fui funcionária desta empresa e sai de lá pois eles não pagavam meu salario e meus direitos.Todos os meses é uma ladainha pra conseguir receber, chegando algumas vezes a um mês de atraso, trabalhava 2 mes pra conseguir receber 1 , ou quando não eles depositavam o dinheiro na conta faltando maior parte! Prometiam um salario em um valor e vale alimentação e vale transporte ...beneficios que nunca existiram!!!
    Tudo nesta instituição é fachada, eramos obrigados a mentir para alunos e as pessoas que por lá passavam para pedir informações!

    ResponderExcluir
  11. Pior que além de enganar os alunos, e explorar os funcionários (não pagando nossos salários) eles ainda por cima deixam de pagar os fornecedores,desde as mais básicas despesas...Já perdi a conta de qtas vezes a Unidade que trabalho ficou sem Telefone, agua e Energia , por falta de pagamento!UMA VERGONHA!!!

    ResponderExcluir
  12. Galera peço ajuda pois eu tb cai no conto do vigário e entrei nessa faculdade, mas estou trancando a matricula, a mensalidade que não devia ser nem 300 reais está lá no contrato 1,200 e agora, o que fço?

    ResponderExcluir
  13. Aderi ao FIES da Uniesp, por eles cobrarem R$1.529,00 a prestação mensal do curso de Direito. Nas faculdades das cidades vizinhas, o valor é de R$700,00 a R$900,00.

    O problema é que, antes da Uniesp ser mantenedora da Instituição local, o valor era de R$590,00 , e mudaram o valor para os absurdos R$1.529,00 mensais.

    Há alunos em minha sala que discutiram na secretaria, e receberam um acordo de continuar pagando os valores antigos de R$590,00 , no entanto, todos os outros passaram a pagar R$1.529,00 . Eu estou na sala desses alunos que pagam R$590,00 , porém, a Uniesp cobra de mim o valor de R$1.529,00 , não deveria eu pagar o mesmo valor de R$590,00 visto eu estar recebendo as mesmas prestações de serviço como os alunos que pagam R$590,00 ??????/

    ResponderExcluir
  14. Pessoal acredito, se arrumarmos um advogado conseguimos reverter essa situaçāo.

    ResponderExcluir
  15. Pessoal acredito, se arrumarmos um advogado conseguimos reverter essa situaçāo.

    ResponderExcluir
  16. Entrei nesse grupo, sinto-me prejudicada. Estou pensando em falar com um advogado para pedir ajuda. Aceito sugestões www.benettielaine@gmail.com

    ResponderExcluir
  17. Nossa gente essa Uniesp é muito ruim mesmo e prejudica todo mundo.
    Tô cheia de problemas pra tomar posse num cargo público foz meu curso na Uniesp.
    Corro o risco se perder meu cargo por conta dessa instituição mentirosa e cheia de farsas e fraudes!
    Vamos divulgar e não deixar ninguém mais ser enganado!

    ResponderExcluir
  18. UNIESP PAGA?

    Entre em contato com o CONDAC – Conselho Nacional de Defesa do Acadêmico, órgão criado para orientar, auxiliar, direcionar, acompanhar e defender os estudantes de todo país. Atende principalmente problemas com FIES, PROUNI, Matricula, Processo seletivo, Transferências, documentação, diplomas entre outros. Tel.: 11-3487-4900 contato@adesp.org.br www.adesp.org.br

    ResponderExcluir

1 - Qualquer pessoa pode comentar no Blog “Um Asno”, desde que identifique-se com nome e e-mail.
a) Em hipótese alguma serão aceitos comentários anônimos.
b) Não me oponho quanto à reprodução do conteúdo, mas, por uma questão de responsabilidade quanto ao que escrevo, faço questão que a fonte seja citada.

2— Não serão aceitos no Blog “Um Asno” os comentários que:
1. Configurem qualquer tipo de crime de acordo com as leis do país;
2. Forem escritos em caixa alta (letras maiúsculas);
3. Estejam repetidos na mesma ou em notas diferentes;
4. Contenham insultos, agressões, ofensas e baixarias;
5. Reproduzam na íntegra notícias divulgadas em outros meios de comunicação;
6. Reúnam informações (e-mail, endereço, telefone e outras) de natureza nitidamente pessoais do próprio ou de terceiros;
7. Contenham links de qualquer espécie fora do contexto do artigo comentado;
8. Contenham qualquer tipo de material publicitário ou de merchandising, pessoal ou em benefício de terceiros.

Tecnologia do Blogger.