Rádio Na Pior

Últimos Artigos
recent

10 Pecados Capitais do PT na visão de um ex-petista

Bandeira do PT - Blog do Asno
Minha adolescência foi em um período em que os jovens brasileiros estavam órfãos de ideias criativas e com um enorme vazio a ser preenchido no campo das ideologias. A ditadura estava terminando e nosso sentimento era uma mistura de emoções inflamáveis a ponto de explodir. Surgiu então um partido fascinante que prometia incendiar nossos hormônios e dar sentido a toda nossa energia represada. Era o PT, Partido dos Trabalhadores. Era impossível resistirmos aquele charme sedutor da promessa de uma mudança em tudo que já não satisfazia. O mundo ficava velho rápido demais e havia tanto para absorver em tão pouco tempo que semanas garimpando bibliotecas (o Google não existia), era um esforço enorme sem nenhuma recompensa e o PT parecia trazer tudo pronto e acessível como fast food. Não foi necessário muito para que eu participasse. Bastou assistir a uma palestra do professor Hélio Consolaro quando minha idade ainda nem atingira os quatorze anos. Eu e vários amigos nos engajamos de imediato e com o tempo vimos várias lideranças de boa qualidade se despontarem. Alguns continuam no partido e poucos até conquistaram posições importantes no governo afastado. 

Eu não li Marx por causa do PT. Alguns professores de OSPB e Educação Moral e Cívica e depois, História e Geografia, já haviam semeado no terreno fértil de nossas mentes. Isso continuaria conforme as disciplinas iriam evoluindo e as aulas seriam de Sociologia, Psicologia e Filosofia. Quando éramos moleques ainda, Bakunin, Proudon, Espinosa, Engels e Marx já eram assuntos entre um disco de vinil e uma fita cassete. Só mais tarde viriam Nietzsche, Gramsci, Foucault, Voltaire, Montesquieu, Descartes, Schopenhauer, Adam Smith e, por fim, Baudrillard. A ordem importa muito e o estrago é sempre maior quando se altera a sequência de leitura sem jamais realizar uma ponderação entre elas para depois refletirmos. Não seguimos todos os conselhos e nos tornamos vulneráveis a mitômanos, cretinos e psicopatas de toda sorte. Sim... Já naquela época víamos coisas das quais não concordávamos, mas eram sempre atribuídas a indivíduos, jamais ao coletivo. Demorou para percebermos que o coletivo era a causa de muitas atitudes individuais.

Com dezenove anos eu já pensava em ser mais do que um mero militante. A desintoxicação levou um longo período por que a exposição ao veneno da ideologia de classes durou muito tempo. A realidade era sempre filtrada por uma peneira de clichês e a busca por uma grotesca hegemonia de pensamento. O indivíduo teria de deixar de existir para que o coletivo se tornasse uma unidade. Os espaços deveriam todos serem ocupados para a glória dessa hegemonia. Sinto-me responsável por vários amigos que acabei levando a essa doutrinação. Em minha experiência com onze associações civis e sindicatos ligados a legenda eu evidenciei as mesmas práticas. O PT não foi minha única decepção. Também o antigo PL e o próprio PSDB não ficaram muito distantes, apenas tinham menor influência sobre as pessoas para iludi-las com a mesma força que o PT. Felizmente, a desilusão como a de Orwell não precisou ocorrer a todos nós. Afastei-me de todas as legendas e mais tarde das ideias comuns a um coletivismo qualquer. De coração, não desejo que a legenda se extingua. Apenas gostaria que ela se atualizasse e, desse modo, ajudasse a construir um país melhor com inteligência.

Hoje me oponho ao partido por, pelo menos, dez razões, as quais vou descrever abaixo. Em cada um dos comentários sei que não tenho autoridade para generalizar minhas críticas a todos os petistas como não o faço a todas as outras legendas. Porém, os petistas também sabem que devem responder pelo coletivo, sobretudo, quando, por qualquer razão que seja, se omitem e procrastinam suas ações.

01 - HIPOCRISIA
O PT deve ser o partido que concentra a maior parte das lideranças mais influentes do país. Foi a construção degrau a degrau dessa influência que levou a legenda ao poder. Essas lideranças ocuparam os espaços mais estratégicos da administração do país e se revelaram incapazes de gerenciar uma loja de 1,99. Passaram a fingir capacidade e recorreram a discursos falaciosos para encobrir sua insignificância perante os problemas reais. Foram desonestos e criaram virtudes inexistentes. O erro estava óbvio. A ocupação dos espaços ocorreu muito antes de chegarem ao poder. Contudo, a qualidade das lideranças por trás dos espaços era questionável e ninguém teve a magnanimidade para reconhecer. Preferiram o combate através do discurso mentiroso com fumaça e areia nos olhos da população. O PT é mais um partido que não realiza a autoavaliação. Não é parecido com os outros. É exatamente como os outros e recusa-se a se reciclar. Cansa muito ver que suas defesas, na maioria das vezes, recorre ao "os outros também fazem ou fizeram". Quando votamos em algum candidato do PT foi por que acreditávamos no discurso de que ele faria diferente. Há esperança de que os petistas sérios recuperem essa confiança.

02 - MEDIOCRIDADE
Já foi mencionado que muitos figurões que compõem a legenda possuem capacidade questionável. A presidência nacional do partido é ridícula, a diretoria é centralizadora, autoritária e prepotente e as lideranças regionais seguem o mesmo exemplo. A pior extensão desses defeitos se encontra nos braços representativos da legenda como as sociedades civis e os sindicatos. São entidades, cujas lideranças são desprovidas de mérito real. Agem mais como pastores papagaios com uma boa oratória, mas com pequenez nas atitudes. São bons apenas em agitação, mas ineptos para qualquer ação efetiva. Oratória é um grande talento para influenciar e inspirar. Falta-lhes mais executores no partido. Eu reconheço que, muitas vezes, líderes notáveis como José Eduardo Cardoso, acabam sendo forçados a se apequenarem devido as circunstâncias. Como ele, há muitos outros e tendem a serem medíocres devido aos eventos. Alguma coisa está errada e é na ideologia escolhida pelo partido, não neles.

03 - MESSIANISMO
O PT não criou o divino Lula. Eu o vi nascer como um messias na mídia que o PT tanto odeia hoje. Foram revistas, jornais e programas de TV que o elevaram ao status de messias do sertão de Garanhuns. O PT, como todo bom oportunista, apenas se aproveitou disso. Fortaleceu-se com isso, mas não abandonou a ideia, mesmo quando o messias já não mais existia. Parece que alguns intelectuais da legenda estão aguardando que o messias se torne mártir, mas o tiro é muito arriscado. Os tempos são outros e já fazem muitos séculos que os mártires não inspiram novas religiões. Na história mais recente, psicopatas messiânicos só conseguiram conduzir as pessoas a perdas muito trágicas.

04 - ARROGÂNCIA
A pior característica na legenda petista e que foi transferida as suas falanges sectárias como o PSOL, a REDE e outros, é a a ideia de que os partidos são formados por pessoas com visão mais preparada do que a dos indivíduos supostamente representados. Eles realmente acreditam que estão investidos dessa superioridade e querem que lhes outorguemos autoridade para promover mudanças em nossas vidas, ainda que não sejam essas as nossas escolhas. É a mais completa inversão dos valores. Entendem os líderes como os que devem mandar até no pensamento dos subordinados. O princípio da prestação de serviço foi degradado por seus pensadores. Na sociedade, não somos todos seguidores! Fora da gestão pública, discordamos muito de nossos compatriotas, mas optamos por seguir a um contrato social e não impomos nosso ponto de vista aos demais. Buscamos um consenso naquilo que entendemos ser bom sendo comum a todos. Não é por que é o correto e melhor que devamos forçar aos demais para que aceitem nossa opinião. Está tudo errado! Confundiram a democracia e o voto. O fato de uma maioria de indivíduos votar em um ateu não significa que este possa impor a todos uma visão ateísta.

05 - ANACRONISMO
Meus heróis não morreram de overdose, como dizia Cazuza. Eles morreram perseguidos, exilados, assassinados ou esquecidos. Contribuíram muito com a evolução desse mundo e o tornaram melhor de alguma forma. Suas ideias formaram o alicerce de muitas outras que evoluíram conforme a demanda de um mundo cada vez mais acelerado. Meus heróis negros não são Zumbi e Malcolm X; são Percy Julian, George Carver e Luther King. Meus heróis gays não são Clodovil e Jean Willys; são Allan Turing e Oscar Wilde. Minhas heroínas não são Olga Benário e Marilena Chauí; são Simone de Beauvoir e Marie Curie. Em resumo, minhas referências são as pessoas que promoveram grandes mudanças no comportamento e no conhecimento e não o oposto, um retrocesso ao pensamento mesquinho e retrógrado. O PT se afirma um partido progressista, mas age como uma organização do atraso. Prega a igualdade e a justiça social, mas recorre sempre a doutrinas que não cabem mais nesse mundo atual e que acabam obrigando a todos a um retrocesso em suas conquistas. Pobres podem e devem ser sempre assistidos e auxiliados de maneira que deixem sua condição de penúria. Mas, a escolha dominante daqueles que se acham mais sábios que os demais sempre conduz a um mundo onde os pobres permaneçam pobres apenas com um pouco mais de assistência. Um pobre não deseja apenas possuir uma casa confortável e um automóvel popular. Ele também sonha com ambições comuns a todos os seres humanos. Deseja ter importância e deixar seu próprio legado para eternizar-se depois que morrer. Os sábios do PT consideram que a maioria não será capaz de atingir esse objetivo e acham melhor manter a todos em um nível intermediário. O nome disso é nivelar a todos através da média, ou seja tornar a todos medíocres. Desse modo, todos sempre irão depender do partido e de seus líderes especiais. É quase impossível para que esses intelectuais abandonem esse mórbido desejo de conduzir as massas. Aprendam de uma vez! Isso nunca será possível a ninguém!

06 - INTOLERÂNCIA
A intolerância não é um defeito exclusivo da legenda petista. Mas, no caso de muitos de seus integrantes ela é violenta como uma fratura exposta. É impossível para eles simplesmente respeitar o ponto de vista alheio. Nem em suas manifestações e protestos o direito alheio é garantido. É raro debater com um petista sem que em certa altura ele recorra a agressão. Quando os argumentos acabam, a força prevalece. Isso não é especulação. O partido tem de rever essa postura se quiser recuperar o respeito. Depois que assumiram o poder e se tornaram alvo de críticas (nada mais natural), a maioria investiu-se de uma postura beligerante e agressiva desqualificando os críticos, insultando, injuriando e provocando uma reação imediata e tão violenta quanto a provocação. Tornaram-se vítimas dos próprios hábitos. Não devo generalizar, mas em grande parte das experiências o insulto de que "debater com um petista é como jogar xadrez com um pombo, no final ele irá derrubar todas as peças, cagar no tabuleiro e sair com o peito estufado" lhes cabe muito bem. Quando não, elevam o queixo, desprezam o antagonista e retiram-se soberbos da discussão. Se essa avaliação está se tornando cada vez mais corrente, não é preciso dizer que precisam refletir sobre si mesmos. Cada dia mais, somente os petistas se convencem de que estão com a razão e isso não lhes tirará apenas votos.

07 - INCOERÊNCIA
Outra qualidade que não se limita ao petismo. Fui inspirado a participar das atividades do partido porque pregavam uma ideologia e fundamentavam ela sobre argumentos que convenciam quanto a sua assertividade. Aprendi a repudiar o assistencialismo, o populismo, a escravidão do salário mínimo, o fascismo e o tal imperialismo americano. Mais tarde descobri o que era fascismo de fato e vi todos os seus componentes presentes na fórmula petista de engrossar as colunas do partido. Entendi o ódio ao "imperialismo" e a verdadeira motivação dos principais líderes da legenda: não era a democracia. Era a imposição dos seus valores fascistas a toda a sociedade. O assistencialismo se tornou a única fonte para a manutenção do seu poder. O populismo e a manipulação através do medo ainda são suas armas mais eficazes. Herança maldita da contaminação pelo emprego negativo do marketing.

08 - INCOMPETÊNCIA
Não se trata da incapacidade de realizar ações corretas. Trata-se da resistência a se atualizar. O PT teve treze anos para testar cada uma de suas ideias. Muitas foram anunciadas e nem chegaram a sair do papel. Mas, parece que os próprios petistas preferem não recordar isso. Tenho convicção de que muitos deles sabem que o que eles chamam de "acertos" foram apenas experiências que não se conservariam diante de provações não previstas pelos seus sábios. Uma simples análise de modo de falha poderia ter lhes prevenido sobre um sucesso efêmero, mas a arrogância os cegou. Não lhes faltou inteligência e sim modéstia. Quando muitos como eu apontavam o que daria errado eles respondiam que representávamos as viúvas do conservadorismo, do atraso e que fazíamos aquilo por que nos interessava o "quanto pior melhor", que agíamos para desestabilizar o seu governo, quando na realidade apenas não queríamos que errassem e nos condenassem a todos ao abismo em que nos enterramos. Sua únicas glórias são as tais políticas sociais? E as políticas sociais universais? Deixamos, nesses treze anos, de ter mortos nos corredores dos hospitais? Abandonamos a horrível marca de 55 mil homicídios por ano? Nossos pobres estão completamente livres da falta de saneamento básico e das epidemias importadas como o Zika e o Chikungunya? Nossa infraestrutura se tornou mais barata e beneficiou nossa produção interna? O problema da seca no Nordeste foi extinto? A rapinagem em nossas riquezas e estatais deixou de acontecer? A carga tributária diminuiu e a dívida pública zerou? Celebramos o consumo de carros quando qualquer zérruela podia comprar, mesmo que esses custassem três vezes mais caro do que em outros países... Celebramos o aumento do acesso as universidades, mas ainda estamos na rabeira da produção acadêmica e tecnológica. E qual o custo? Treze anos... O PT negligenciou tudo que poderia garantir o sucesso de suas políticas. Mais do mesmo e sem novidade. Nada excepcional que outro período igualmente medíocre de nossa história não tenha produzido.

09 - SESSECIONISMO
Deixei para o final as duas piores características dessa legenda. Havia muitas décadas que nossa nação não ficava tão dividida quanto nesse período de acensão do "Nós contra Eles". Ressuscitaram os discursos da "Casa Grande e Senzala". Separaram o país e retomaram o cultivo ao ódio. Reduziram todos os seus adversários a um só inimigo, o PSDB. Nisso foram burros demais. Esquecem-se que o país é muito mais diverso e jamais será reduzido ao maniqueísmo imbecil que patrocinam. Estão há tanto tempo nessa doença de coletivismo que se esqueceram o que é ser indivíduo. Falamos em idioma diferente e vão demorar a nos compreender. Pior! Ainda não se convenceram que que não serão capazes de nos extinguir.

10 - RESISTÊNCIA A MUDANÇA
O PT se convenceu de que por possuir influência sobre os sindicatos, as associações e entidades isso seria suficiente para sustentar a legenda no poder a fim de realizarem suas intenções. O partido que sempre falou em nome da diversidade, não reconhece de fato que somos muito diversos e muito além das bandeiras que se acostumaram a defender. O tempo parta partidos de visão tão estreita como o PT terminou. Essa nova geração quer menos legendas, menos ideologias e mais resultados práticos. Esse não é mais o mundo do punho cerrado. Chega dessa retórica de "Luta". Não estamos em guerra uns contra os outros. Nossa guerra é contra hábitos antigos e prejudiciais a nossa convivência em sociedade. A política foi construída para melhorar nossas experiências e nos tornar mais felizes. O PT trabalhou para inverter esse senso. Esperávamos do PT uma atitude que nos conduzisse a integração. Foi o contrário... Esperavam lucrar eleitoralmente jogando o Norte contra o Sul, o pobre contra o rico. O que queriam? Que nos aniquilássemos para restar apenas os que pudessem ser domesticados? O PT lutou muito para ser governo, mas não se preparou para isso. Tornou-se exatamente naquilo que mais critica. Tornou-se um PSDB.

Espero que os bons agentes da legenda reflitam todo esse processo e promovam o resgate do PT que perdemos. Não o PT terrorista e ameaçador, mas um PT humanista e preocupado com a verdadeira justiça social.

Nenhum comentário:

1 - Qualquer pessoa pode comentar no Blog “Um Asno”, desde que identifique-se com nome e e-mail.
a) Em hipótese alguma serão aceitos comentários anônimos.
b) Não me oponho quanto à reprodução do conteúdo, mas, por uma questão de responsabilidade quanto ao que escrevo, faço questão que a fonte seja citada.

2— Não serão aceitos no Blog “Um Asno” os comentários que:
1. Configurem qualquer tipo de crime de acordo com as leis do país;
2. Forem escritos em caixa alta (letras maiúsculas);
3. Estejam repetidos na mesma ou em notas diferentes;
4. Contenham insultos, agressões, ofensas e baixarias;
5. Reproduzam na íntegra notícias divulgadas em outros meios de comunicação;
6. Reúnam informações (e-mail, endereço, telefone e outras) de natureza nitidamente pessoais do próprio ou de terceiros;
7. Contenham links de qualquer espécie fora do contexto do artigo comentado;
8. Contenham qualquer tipo de material publicitário ou de merchandising, pessoal ou em benefício de terceiros.

Tecnologia do Blogger.