Rádio Na Pior

Últimos Artigos
recent

Gregório Duvivier é um magnifico artista, mas irresponsável como analista

Duas coisas tornam um presidente legítimo: a investidura do posto conquistada através do voto e a sua postura durante o mandado. Um presidente deve se fazer legítimo todos os dias, não só após uma eleição. A moda agora é protestar que 54 milhões de votos deram legitimidade a Dilma, porém não deram ao seu vice que também foi eleito com ela. O Partido dos Trabalhadores exigiu o impeachment de Fernando Collor, de Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso. O PT gritou "Fora Erundina" quando Itamar a convidou para um ministério e agora tenta desestabilizar o governo de Michel Temer por ter assumido em lugar de Dilma. O que é golpe afinal? Embora eu tenha tanta aversão a Temer quanto a Dilma, ele é tão legítimo quanto ela, afinal, sua foto também estava na urna. Afinal, ele também foi eleito! É difícil acreditar nos berros de militantes petistas de que o governo interino não tem legitimidade quando eles mesmos outorgaram essa legitimidade ao convidar Temer para sua chapa durante as eleições. É duro de engolir que  esse governo irá frustrar a Operação Lava Jato quando o ex-presidente da OAB do Rio de Janeiro e agora deputado petista Wadih Damous (PT-RJ), defende com tanto esforço um projeto para alterar a lei da delação premiada e um Projeto de Lei para impedir que pessoas sejam presas após condenação em segunda instância quando isso está diretamente ligado aos resultados da referida operação.

O PT já não era coerente em seus discursos quando eu simpatizava com a legenda. Eu fui contra o processo de impeachment não por que não fosse legítimo, mas por que estava na cara a zorra que seria um governo do vice com o PT na oposição e uma classe política totalmente desmoralizada por suas diversas práticas já conhecidas pelo público. Mais difícil ainda é ter de ouvir alguns artistas sem o menor domínio do assunto proferindo análises sobre a conjuntura política, como é o caso do humorista Gregório Duvivier. Gosto do trabalho do cara, mas me decepciona cada vez que o vejo fazendo comentários sérios sobre o jogo político no Brasil. Pior! O cara escreve a respeito na Folha de S. Paulo e dá entrevistas em Portugal como se fosse especialista no que diz. Ele tem o direito de ser contrário ao governo Temer como eu também. O que não dá para aceitar são seus argumentos de boteco. É como ver um arquiteto dando aulas sobre biologia sem saber o que é um protozoário. No vídeo abaixo o humorista dá um baile de ignorância. Sua fala só pode ser tolerada por ser ancorada em sua paixão pelo governo dilmaníaco, jamais como uma análise que mereça algum respeito. Assistam o vídeo e confirmem por si mesmos.



A entrevista foi no programa Sic Notícias no dia 12 de maio. Gregório demonstra indignação e dispara absurdos. O primeiro é o elogio "golpista" descabido e depois que o presidente em exercício é réu... Temer ainda não é réu em nada, tampouco "ficha suja"... Ainda! Acho que pode e deve ser investigado, afinal era o presidente do partido mais enlameado junto com o PT e o PP. O fato de Temer não ter nem 1% de intenção de voto não significa absolutamente nada! Se fosse desse modo, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, não teria sido eleito levando-se em conta sua popularidade quando se candidatou. O sujeito sai do Brasil para divulgar o seu trabalho, QUE É MUITO BOM, e sai falando sobre o que não tem o menor domínio. Se ele discorda do sistema eleitoral, como eu, ou se desaprova as regras constitucionais do próprio país, é um direito democrático garantido a ele. Porém isso não lhe autoriza a mentir. Muitos intelectuais, no Brasil isso bem pode significar também imbecil, endossam essa tese, porém estamos todos sujeitos as regras que aceitamos em nosso contrato social. Discordar é o nosso direito e trabalhar para que elas melhorem é nossa obrigação. Mentir em nome de uma falsa justiça é demais.

Gregório demonstra mais um pouco de sua intelectualidade ao gozar do ministério proposto pelo governo interino que teria oito réus na Lava Jato como se isso também não existisse no ministério de Dilma. O erro nem foi esse...  Na verdade são sete e dessas figuras que ele lembrou, metade estavam no governo de Dilma e já possuíam foro privilegiado. Não foi Temer que os investiu desse foro e ainda que fosse, foro privilegiado não é passaporte para a liberdade. Muitas vezes pode ser um baita tiro no pé! Duvivier acerta ao menos em uma coisa, somos todos nós que teremos de pagar a fatura do desgoverno dilmaníaco. Mas o humorista cientista político, ou vice versa, no Brasil são muito parecidos, diz que Temer irá fazer o trabalhador pagar essa conta. Ora! E quem pagaria (e já estava pagando) se Dilma se mantivesse no poder? A crítica que o humorista faz ao texto "Ponte para o Futuro" revela que de fato nem se deu ao trabalho de lê-lo, já que apenas repete o que todo petista afirma. Se o maior defeito do texto é registrar 23 vezes a palavra "mercado" e nem uma vez a palavra "trabalhador", devo lembrar ao humorista que não haverá trabalhador sem o mercado.

Mais difícil para analisar na fala do humorista foi sua narrativa de que Dilma não está caindo pelos seus erros, mas sim, pelos seus acertos... Meu Deus! Dilma até teve alguns acertos, mas nem de longe são os que o artista enumerou. Na realidade ela foi a responsável pela deterioração das políticas sociais. Basta ver o quanto essas políticas perderam logo no início de seu segundo mandato. E estou me referindo aos três primeiros dias! Se o trabalhador conquistou algum benefício nos últimos treze anos, foi ela a madrasta má que promoveu a maior corrosão dessas conquistas. A análise de Gregório quanto a corrupção ainda é mais tosca. Em sua visão só há corrução no Brasil por causa das doações de empreiteiras! Havia muita corrupção nos governos anteriores e houve um período no Brasil em que tais doações não eram permitidas. Além do mais elas só alcançaram a aberração atual desde que o PT alcançou o poder. Basta observar os dados do próprio TSE para ver o salto nos valores doados.

Gregório tem razão. O sistema político brasileiro tem mesmo que mudar e isso significa que a mudança deve ocorrer primeiramente no eleitor. Não com essa visão do artista que também cega boa parte da população e da juventude engajada. Financiamento público de campanha (mais uma conta para o trabalhador pagar!), poderia ajudar? Talvez... Se o valor fosse definido por um mínimo e não pelo máximo como ocorreu. Só aumentou um item na fatura para que paguemos. Algumas críticas de Gregório quanto ao novo ministério eu nem teria como discordar. Por exemplo, o Ministério da Ciência e Tecnologia, minha bandeira pessoal. Também defendo a Reforma Política, mas em lado oposto ao que defende o humorista. Sou crítico pesado à reforma proposta pela OAB em conjunto com a CNBB no Brasil por que é a mesma que propõe o Partido do Trabalhadores, ou seja, um verdadeiro golpe contra os indivíduos para garantir maior poder a legendas. No caso, a do PT é a maior beneficiada por sua envergadura em movimentos sociais que não representam a população de fato.

Se Gregório acredita que Dilma esteja sendo injustiçada por que "não existe crime" que justifique o impeachment e se apoiou o impeachment de Collor então deve desculpas ao maior canalha da república por que o mesmo foi absolvido pelo Supremo. Lógico que eu tenho conhecimento de que Collor só teve a sorte de ver seus crimes prescritos após quatorze anos sem ser julgado e de que seu processo tenha sido elaborado de maneira porca demais para que fosse condenado. Eu convidaria Gregório a ler e comparar os dois pedidos de impeachment, o de Collor e o de Dilma, para então fazer uma análise sobre crimes sem provas. Eu também resisto a ideia de que Dilma será cassada por sua conduta fiscal, mesmo que o seu exagero seja aterrador em comparação com o próprio Lula e o Fernando Henrique. Acontece que essa mulher não tem condições mínimas para se manter no poder e capacidade ainda menor para solucionar os problemas que ela mesma causou. Não há outro caminho.

Nenhum comentário:

1 - Qualquer pessoa pode comentar no Blog “Um Asno”, desde que identifique-se com nome e e-mail.
a) Em hipótese alguma serão aceitos comentários anônimos.
b) Não me oponho quanto à reprodução do conteúdo, mas, por uma questão de responsabilidade quanto ao que escrevo, faço questão que a fonte seja citada.

2— Não serão aceitos no Blog “Um Asno” os comentários que:
1. Configurem qualquer tipo de crime de acordo com as leis do país;
2. Forem escritos em caixa alta (letras maiúsculas);
3. Estejam repetidos na mesma ou em notas diferentes;
4. Contenham insultos, agressões, ofensas e baixarias;
5. Reproduzam na íntegra notícias divulgadas em outros meios de comunicação;
6. Reúnam informações (e-mail, endereço, telefone e outras) de natureza nitidamente pessoais do próprio ou de terceiros;
7. Contenham links de qualquer espécie fora do contexto do artigo comentado;
8. Contenham qualquer tipo de material publicitário ou de merchandising, pessoal ou em benefício de terceiros.

Tecnologia do Blogger.