Observatório Social de Birigui

Últimos Artigos
recent

Então o "Divino" Lula criou o Bolsa Família!!?

Aos amigos que se incomodam com minha opinião sobre o frustrado e ex-candidato a ditador, Luis Inácio Lula da Silva, concessa maxima venia, não o faço por estar vinculado a nenhuma espécie de partido. Minha opinião sobre partidos jé é bem declarada em meu blog. Faço-o por mero exercício da razão, elemento essencial numa democracia, mas fora de moda no atual cenário político nacional. Critico-o com a autoridade que quem depositou sua confiança através do voto (por uma única de definitiva vez), na esperança de que sua origem estivesse realmente associada a seu caráter. Vários me enviam comentários afirmando que suas vidas mudaram para muito melhor depois que ele se tornou presidente. Isso também ocorreu com muitas pessoas com a eleição de Collor, FHC e muitos mais durante a Ditadura! Muitos outros também tiveram os piores momentos de suas vidas. Eu, por exemplo, conheci a fome durante o governo de FHC, mas nunca o culpei por isso. Apostei minhas fichas no Plano Real quando todos estavam com medo por causa do desastre collorido do sequestro da poupança. Dancei... mas, isso é outra história...

O que sempre me incomodou em Lula foi a gigantesca distância entre o seu discurso e sua ação! Neste caso, para não exceder a paciência de quem lê, vou tratar apenas do Bolsa Família por causa de um artigo que acabei de ler no Estadão. Segue o trecho, comento em seguida:
O candidato petista também endureceu em relação ao PSDB e à oposição. Atacou os críticos do “bolsa-esmola” e disse que Lula promoveu uma revolução na educação. “Essa revolução não seria feita por um doutor conservador, tinha de ser feita por um operário”, afirmou. Ao chamar a oposição de “xarope” por “torcer para que as coisas deem erradas”, o petista alfinetou o senador tucano Aécio Neves (MG). “Se o Aécio quer ser presidente, estuda um pouquinho. Lê um livro por semana. Dá uma lidinha em Copacabana.”
Lula (que já deixou bem claro que odeia ler), quando radical, afirmou que programas de bolsa deixavam os beneficiários vagabundos. Já publiquei o vídeo de como era a opinião de Lula sobre o assunto aqui. O seu candidato para a prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, mente com muita veemência e esbarra nos fatos gerados pelo seu próprio governo. Mas não é dele que trato. Lula fez um discurso em 9 de abril de 2003, em companhia de Ciro Gomes, no agreste nordestino (seu maior reduto). 

Eu, um dia desses, Ciro [Gomes, ministro da Integração Nacional], estava em Cabedelo, na Paraíba, e tinha um encontro com os trabalhadores rurais, Manoel Serra [presidente da Contag - Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura], e um deles falava assim para mim: “Lula, sabe o que está acontecendo aqui, na nossa região? O povo está acostumado a receber muita coisa de favor. Antigamente, quando chovia, o povo logo corria para plantar o seu feijão, o seu milho, a sua macaxeira, porque ele sabia que ia colher, alguns meses depois. E, agora, tem gente que já não quer mais isso porque fica esperando o ‘vale-isso’, o ‘vale-aquilo’, as coisas que o Governo criou para dar para as pessoas.” Acho que isso não contribui com as reformas estruturais que o Brasil precisa ter para que as pessoas possam viver condignamente, às custas do seu trabalho. Eu sempre disse que não há nada mais digno para um homem e para uma mulher do que levantar de manhã, trabalhar e, no final do mês ou no final da colheita, poder comer às custas do seu trabalho, às custas daquilo que produziu, às custas daquilo que plantou. Isso é o que dá dignidade. Isso é o que faz as pessoas andarem de cabeça erguida. Isso é o que faz as pessoas aprenderem a escolher melhor quem é seu candidato a vereador, a prefeito, a deputado, a senador, a governador, a presidente da República. Isso é o que motiva as pessoas a quererem aprender um pouco mais.
Pois bem, vamos ver o que realmente é o seu carro chefe de campanha que beneficiou sua reeleição e garantiu a eleição de Dilma: LEI No 10.836, DE 9 DE JANEIRO DE 2004.
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

   Art. 1o Fica criado, no âmbito da Presidência da República, o Programa Bolsa Família, destinado às ações de transferência de renda com condicionalidades.
   Parágrafo único. O Programa de que trata o caput tem por finalidade a unificação dos procedimentos de gestão e execução das ações de transferência de renda do Governo Federal, especialmente as do Programa Nacional de Renda Mínima vinculado à Educação - Bolsa Escola, instituído pela Lei nº 10.219, de 11 de abril de 2001, do Programa Nacional de Acesso à Alimentação - PNAA, criado pela Lei n o 10.689, de 13 de junho de 2003, do Programa Nacional de Renda Mínima vinculada à Saúde - Bolsa Alimentação, instituído pela Medida Provisória n o 2.206-1, de 6 de setembro de 2001, do Programa Auxílio-Gás, instituído pelo Decreto nº 4.102, de 24 de janeiro de 2002, e do Cadastramento Único do Governo Federal, instituído pelo Decreto nº 3.877, de 24 de julho de 2001.
   Art. 2o Constituem benefícios financeiros do Programa, observado o disposto em regulamento:
Contrariando seu discurso (não foi a única vez), Lula somou sua ideia do Fome Zero (fracassada) aos programas criados pelo seu antecessor dando rótulo novo a um velho produto. O que o então presidente fez foi um pout pourri de programas assistenciais e batizou com uma marca forte. Sou contra o Bolsa Família, tanto quanto era contra os programas de FHC que o precederam. A questão é simples: cuidasse o estado de administrar austeramente o seu orçamento, em realizar os avanços necessários, desenvolver a tecnologia, melhorar a educação e aumentar a eficiência da máquina pública, nenhuma pessoa necessitaria de esmola para sobreviver. A prova dos 9 pode ser evidenciada no recente resultado do investimento na educação. O Brasil ocupa a décima terceira posição entre os países que mais investem na educação (valores de primeiro mundo!), porém, está entre os derradeiros no desempenho. Isto significa que não precisamos aumentar o percentual de investimento na educação (como querem alguns malucos que fazem campanha pelos impossíveis 10% do PIB), precisamos é gerenciar melhor.

Me causa espanto o empenho de diplomados em afirmar, inclusive, que o Bolsa Família ajudou na redução da violência. É o avanço do cretinismo travestido de formação acadêmica e intelectual! O que se fez nos últimos anos foi alçar a estúpida ideologia pseudo-socialista de Lula a um status de pensamento. Realmente o pai do Bolsa Família foi o governo Lula, mas a ideia original não foi sua. Aliás, de original em seu governo não ocorreu nada! Isso é o famoso "gozar com o pau dos outros".

Em meu Blog exponho meu ponto de vista e convido outras pessoas a um sadio debate. Estou disposto a avançar em minhas opiniões através do debate e da argumentação. Os que me ofendem apenas reforçam meu ponto de vista. Até já me acusaram de ser um "reacionário nogento" apenas por minha exposição e quem fez isso tem diploma de psicólogo de Universidade Federal, justamente de onde eu acreditava que poderia surgir luzes ao debate. Continuo acreditando que estamos no melhor dos modelos e que a democracia ainda está em franco processo de evolução. Ainda acredito que os que se dão ao trabalho de ler opiniões de blogueiros como eu possam contribuir na construção deste processo e continuarei a escrever até que suas opiniões venham a se somar as minhas, inclusive, mudando-as.

Nenhum comentário:

1 - Qualquer pessoa pode comentar no Blog “Um Asno”, desde que identifique-se com nome e e-mail.
a) Em hipótese alguma serão aceitos comentários anônimos.
b) Não me oponho quanto à reprodução do conteúdo, mas, por uma questão de responsabilidade quanto ao que escrevo, faço questão que a fonte seja citada.

2— Não serão aceitos no Blog “Um Asno” os comentários que:
1. Configurem qualquer tipo de crime de acordo com as leis do país;
2. Forem escritos em caixa alta (letras maiúsculas);
3. Estejam repetidos na mesma ou em notas diferentes;
4. Contenham insultos, agressões, ofensas e baixarias;
5. Reproduzam na íntegra notícias divulgadas em outros meios de comunicação;
6. Reúnam informações (e-mail, endereço, telefone e outras) de natureza nitidamente pessoais do próprio ou de terceiros;
7. Contenham links de qualquer espécie fora do contexto do artigo comentado;
8. Contenham qualquer tipo de material publicitário ou de merchandising, pessoal ou em benefício de terceiros.

Tecnologia do Blogger.