Rádio Na Pior

Últimos Artigos
recent

Insisto! Vem temporal aí...

Aloizio Mercadante - Um Asno
A semana começou com forte dor de cabeça, não estou bem... Durante o intervalo do almoço observei alguns dos meus companheiros, funcionários da empresa onde trabalho, discutindo sobre qual uniforme de torcida comprar e comentando os recentes resultados do futebol no final de semana. desprezavam o fato de que só nos últimos vinte dias já foram cinco de nossos colegas demitidos. As máquinas têm de ficar desligadas no horário de pico para evitar multas na fatura de energia (algumas já estão paradas por falta de pedido), e só na última semana foram três os cancelamentos de contratos por que o mercado não está disposto a pagar pelo obrigatório ajuste nos preços dos produtos. Penso em registrar aquele momento, mas há outras coisas perturbando minha cabeça. Mas... É por causa de algumas falas absurdas, por causa de alguns comentários repugnantes e por causa de algumas opiniões domadas que mantenho minha postura em defender minhas convicções e lutar pelo direito de poder registrá-las. Sigo adiante...

Alguns vigaristas dizem que, por que discordamos dos rumos adotados pelo governo (e não é de agora), "somos o ódio contra os pobres"... Puta que pariu! Quando foi que um rico de verdade se manifestou publicamente, com a massa, contra um governo! Nem na Revolução Francesa! Na melhor (ou pior) das hipóteses, às vezes, um rico (de verdade) apenas usa sua influência (grana mesmo!) para estimular algum agente público a "mexer uns pauzinhos" para favorecê-lo em alguma demanda. E é só! Manifestação é coisa pra "gentinha", que somos nós, os trouxas violados por todos os lados, inclusive por quem faz parte da mesma camada social. Ficamos aqui nos esbofeteando com palavras violentas, enquanto que os verdadeiros burgueses, aqueles que nos assaltam, por que burguês também é um termo para os ociosos que ganham a vida com discursos e não com produção de riqueza, incitam-nos a sermos mais e mais violentos uns contra os outros. Melhor para eles... Muito pior para nós!

Um jornalista como Juca Kfouri consegue escrever uma barbaridade que só reflete o quanto ele está afastado da realidade de seu país (aqui), uma prefidenta que resiste em enxergar que não se trata de "terceiro turno" e sim de reconhecer os erros e um ministro que tenta agir como se nunca antes tivesse sido militante furioso e opositor agressivo é o que temos para hoje... Enquanto isso a onça do ouro cai na bolsa, o Dólar dispara no Brasil e movimentos na economia internacional sugerem mais temporal pela frente. Ficamos com a fumaça, então... Gostamos da ilusão que nós mesmos alimentamos. O ministro Aloízio Mercadante (como pode!!), sobre o recente "panelaço" após o pronunciamento da prefidenta, disse as seguintes palavras: "O que preocupa é que nós tivemos uma eleição bastante polarizada e nós precisamos construir uma cultura de tolerância de diálogo de respeito. (...)", "Vamos debater alternativas, propostas. A democracia não pode ter o protesto e a intolerância como proposta, tem que ter o diálogo, tem que ter a discussão", "(...) Nós não podemos transformar as eleições num terceiro turno e principalmente nós precisamos construir uma cultura de tolerância, de diálogo, de debate e não uma cultura de radicalismo, intolerância, intransigência porque isso não ajuda o Brasil".

Gozado... Quem consegue dialogar com essa gente?? Primeiro por que não conseguem ao menos aceitar que suas ideias não estão agradando, que erraram (pelo menos isso!), feio na condução de seus projetos e que não somos azelitebrancas que estamos indignados! Quem consegue argumentar com um fanático que antecipa qualquer debate rotulando, demonizando, atacando violentamente e que ignora a vontade e o direito que o próprio vizinho tem de discordar? Elite tem sim, mas está toda reunida no mesmo curral, chama-se Congresso/Planalto! Presta atenção a quem realmente está se movimentando apenas em causa própria! Não são os empresários e nem os trabalhadores, esses são apenas a plateia que assiste horrorizada a esse espetáculo protagonizado por gente que ainda ousa nos culpar pela calamidade que eles são para o país. Somos culpados em um sentido: ou os colocamos lá através do nosso voto, ou não esgotamos o debate para impedir que eles fossem votados.

Nem todos temos os vícios que Juca Kfouri listou no seu artigo fanático. Aliás, gente de boa índole compõe a grande maioria dessa população e é vítima, não vilã, dessa peça trágica que alguns comentaristas insistem em encenar. Meu Deus! Até quando esse discurso do "nós contra eles" vai existir? Até concordo que setores da oposição estão se aproveitando da insatisfação do povo. E concordo também que tem que aproveitar mesmo, ou aqueles que são situação hoje fariam diferente? Mas, reduzir o que vem acontecendo no país nos últimos tempos a "manobras da oposição articulada" é supervalorizar demais aquilo que nem existe. Primeiro por que articulação é tudo o que falta ao país nesse momento. Segundo por que oposição hoje não é mais do que um movimento tímido de alguns parlamentares que se aproveitam da oportunidade, mas que não tem nada melhor para opor ao que temos agora.

Temos um debate do absurdo em curso. Ninguém nem se dá conta da falta de coerência nas coisas que propagam pelos quatro cantos... É asqueroso! Parece que ainda estou na sala de aula assistindo aos meus professores esquerdistas da década de 1980! A palavra "direita" tem sido tão repetido que duvido que o verdadeiro sentido dela seja conhecido por pelo menos 1% de quem a emprega. Basta ler um artigo de Davis Sena Filho onde, referindo-se a Proposta de Emenda à Constituição nº 457/05, afirma que "A direita teme que a presidenta nomeie juízes progressistas, legalistas, constitucionalistas e que não sejam propensos a fazer política indevidamente". Para ela a PEC da Bengala foi "um golpe contra a democracia". Segundo ele, a PEC é um "golpe descarado e antidemocrático" por que "tem por objetivo, e somente esta causa, impedir que a presidenta trabalhista Dilma Rousseff, eleita por mais de 54 milhões de brasileiros, nomeie cinco juízes do Supremo Tribunal Federal". Meu... antidemocrático por que?? Acaso teria, então, a prefidenta, mesmo a intenção de controlar o Supremo? Para quais fins? Mostrem-me onde está a ilegalidade disso. Se a condução da vida das pessoas não for segundo as regras desses sábios, então não pode haver outra forma? 

Ainda, na leitura do artigo de Juca Kfouri, recoro de uma frase emblemática sua. Segundo ele, o governo atual estaria "defendendo os pobres contra os ricos". Se fosse desse modo, seria natural que os ricos se protegessem contra os pobres usando os recursos de que dispõem. Mas, não é assim que acontece! Esse governo (e todos os outros), é ruim tanto para ricos quanto para pobres. O que se comemora como avanço no país é na realidade a chegada com atraso no início da corrida que todos já terminaram. Gostaria de encontrar um desses gigantes intelectuais que fossem capazes de dizer que sou "elite branca" olhando para o meu rosto, tomando um café em meu barraco e compartilhando comigo as benesses que o povo pobre tem alcançado, não só nos últimos doze anos, mas nos últimos quinhentos! Não contesto que a ideia proposta pelos progressistas no governo de plantão tenham trazido avanços em muitas áreas (que estão todas evaporando!). Desde sempre, o que critiquei, e continuo criticando, foi a falta de capacidade em administrar a implementação dessas ideias. O projeto demonstrou ser muito bom mesmo, mas... Os progressistas sempre foram muito melhores no discurso do que na execução, não tenho dúvidas disso agora.

Davis Sena Filho ainda acrescentou: "A direita brasileira, uma das mais ricas, entreguistas, colonizadas e perversas do mundo, não deseja que uma mandatária cumpra seu papel constitucional, além de tentar paralisar seu mandato e administração legítimos". Ele acrescenta na fatura dazelite "as paralisações de obras, as demissões de milhares de trabalhadores, a depredação da Petrobras, a quebra do setor naval e de empresas como a Sete Brasil". Segundo ele, tudo isso acontece por que nós, a burguesia, somos "pária dos interesses internacionais" e jamais nos dedicamos a "pensar o Brasil e defender seus interesses". Posso até entender as razões que levam Filho a escrever da maneira ofensiva como escreve contra quem discorda dele. É desespero! É "Phoda" ter que defender esse governo todo dia! Não é tarefa fácil, sobretudo por que esse governo perdeu o argumento de jogar a culpa no governo anterior desde quando o divino Lula foi eleito para seu segundo mandato. A partir daí... O governo anterior era o dele mesmo!

É de chorar quando se lê esse tipo de coisa. Quem dera tivéssemos uma direita agora... Poderia reorganizar e equilibrar alguns pensamentos! O maior problema é que não temos identidade alguma nem com a direita e, tampouco com a esquerda. Estou mais preocupado no momento é com o que está por trás da fumaça. Vem temporal aí e não vai prestar. Quem tiver alguma economia ou interesse em investir em um pequeno negócio, melhor comprar ouro ou prata. No meu modo de vista, como diria o Bambam... Se houvesse tido algum governo que prestasse, de fato, não estaríamos perdendo tanto tempo com essas discussões e separações, enquanto as nuvens carregadas estão se formando. Estaríamos na vanguarda, enriquecendo com o país e conduzindo outras nações ao pleno desenvolvimento tecnológico para inúmeros fins que levariam a humanidade inteira a, pelo menos, um estágio mais nobre de civilização. Ainda discutimos revolução cubana e marxismo... Quantos séculos ainda serão necessários para tratarmos do presente...

Nenhum comentário:

1 - Qualquer pessoa pode comentar no Blog “Um Asno”, desde que identifique-se com nome e e-mail.
a) Em hipótese alguma serão aceitos comentários anônimos.
b) Não me oponho quanto à reprodução do conteúdo, mas, por uma questão de responsabilidade quanto ao que escrevo, faço questão que a fonte seja citada.

2— Não serão aceitos no Blog “Um Asno” os comentários que:
1. Configurem qualquer tipo de crime de acordo com as leis do país;
2. Forem escritos em caixa alta (letras maiúsculas);
3. Estejam repetidos na mesma ou em notas diferentes;
4. Contenham insultos, agressões, ofensas e baixarias;
5. Reproduzam na íntegra notícias divulgadas em outros meios de comunicação;
6. Reúnam informações (e-mail, endereço, telefone e outras) de natureza nitidamente pessoais do próprio ou de terceiros;
7. Contenham links de qualquer espécie fora do contexto do artigo comentado;
8. Contenham qualquer tipo de material publicitário ou de merchandising, pessoal ou em benefício de terceiros.

Tecnologia do Blogger.