Observatório Social de Birigui

Últimos Artigos
recent

Ar-condicionado em sala de aula pode ser um problema para a saúde

Temperatura Alta - Um Asno
Dias atrás li no blog do vereador carioca Paulo Pinheiro (PSOL) um artigo, cujo teor me causa preocupação porque pode se tornar uma tendência nacional.
Primeiramente, quero relembra-los de que em meu blog registro minhas opiniões pessoais baseadas em leitura de muito material, inclusive científico. Também o faço segundo minhas próprias experiências. Se são diferentes de outras, é natural que seja assim! Vamos lá... Há certa mobilização no legislativo de várias cidades, tais como Rio de Janeiro (RJ) e Cuiabá (MT) no sentido de obrigar, mediante legislação, que as escolas públicas venham a ter a  instalação de aparelhos de condicionamento de ar nas salas de aula. O projeto de Lei sugerido por alguns edis baseia-se em uma norma do Ministério do Trabalho, que obriga locais, como as salas de aula, a serem mantidos com temperaturas entre 20 e 23 graus e umidade relativa do ar não inferior a 40%. Bom... Posso falar inicialmente como aluno e pai de alunas! A norma do MT não é ridícula ao determinar um valor para a temperaturas. Ridícula é a interpretação de alguns vereadores com relação a esta norma e vou tentar explicar meu ponto de vista.

O problema não é a proposta para climatizar as salas de aula e tornar o ambiente mais confortável, sobretudo, nesse período onde as temperaturas sobem muito e causam até uma deficiência no aprendizado e na atenção dos alunos. O problema real não é a temperatura alta, mas sim, a qualidade do ar no ambiente e o percentual adequado para a umidade desse ar. Quando pensamos em um ar-condicionado, por exemplo, logo nos vem a mente o desconforto causado pela entrada e saída do ambiente que ocasiona um contraste severo entre as temperaturas. Se houver a presença de vírus no ambiente, como o da gripe (coisa não muito rara!), seu desenvolvimento passa a ser beneficiado. Sem falar no número de pessoas que carregam variados tipos de alergias. Ora! O funcionamento de um aparelho ar-condicionado faz exatamente o contrário do que determina a regra do Ministério do Trabalho.

O equipamento precisa retirar a água presente no ar do ambiente para produzir o resfriamento desse ar, o que resseca o mesmo e leva também ao ressecamento das vias respiratórias das pessoas presentes nesse ambiente. A elegância do ar-condicionado está exatamente  em causar a sensação de frio ressecando o ar. Nosso suor evapora e quanto mais ressecado estiver o ambiente, mais frio sentiremos. Mesmo que se utilize um umidificador para equilibrar os danos de um aparelho ar-condicionado, teremos um anulando o outro e aumentando monstruosamente o consumo de energia, já que o ar-condicionado terá de trabalhar ainda mais para ressecar o ambiente.

O ar-condicionado também exige uma limpeza frequente, ao menos a cada quinze dias, para que se evite infecções e proliferação das entidades daninhas a saúde. As altas temperaturas, os ambientes abafados e com presença de muitas pessoas aglomeradas são realmente desconfortáveis, sobretudo para quem está obrigado a frequentar esses ambientes, sejam em salas de aula, ou mesmo em repartições onde trabalhamos. Porém, mesmo com os devidos cuidados esses aparelhos conduzem a complicações diversas e podem agravar em muito o quadro de doenças respiratórias. Espia... Uma das principais funções de nosso nariz é filtrar, aquecer e UMIDIFICAR, o ar que respiramos para que o mesmo chegue ao pulmão da forma mais adequada ao seu funcionamento! Ora, o ar-condicionado faz exatamente o inverso, obrigando quem fica exposto a sua ação durante muitas horas a sofrer com o ressecamento das vias respiratórias e, consequentemente, causando dificuldade e desconforto para respirar, além de outros sintomas como tosse, garganta seca e sensível, irritação no nariz e nos olhos.

Ainda sobre o funcionamento do nariz, temos mais um agravante. Nossa mucosa nasal é revestida por cílios vibrantes, responsáveis, juntamente com o ar que respiramos, por impedir a entrada de bactérias, fungos e vírus. Mas quando essa região está ressecada e fria, esses cílios se paralisam e a proteção vai pro brejo! Pior ainda, para aqueles que sofrem com quadros alérgicos. E para quem sofre de rinossinusite que é justamente uma inflamação dessa mucosa e dos seios da face? Para agravar ainda mais, se não for limpo adequadamente, o ar-condicionado pode provocar, nos que ainda não têm, e agravar, nos que já estão fragilizados, doenças como resfriados, pneumonias, conjuntivites, rinites, asma e alergias respiratórias. É no filtro e no duto do aparelho onde se acumulam as impurezas existentes no ambiente, fazendo com que o ar circule contaminado de bactérias, ácaros, fungos e até mesmo por pelos de animais.

O próprio aparelho já carrega em si alguns fatores que são relacionados ao seu funcionamento, como por exemplo, problemas com odores, contaminantes biológicos, proliferação de bactérias, fungos, amebas e compostos orgânicos volatizados. Com o uso inadequado passa a ser um forte catalizador de enfermidades para pessoas que podem acabar desenvolvendo asma, tosse seca, falta de ar, rinite alérgica, coriza, obstrução nasal, conjuntivite alérgica, sendo muito pior para os que já possuem predisposição a estes desconfortos.

Caminhando para a conclusão, o ar-condicionado não é nem vilão, nem mocinho porque o problema não está na baixa temperatura que ele proporciona. Nosso corpo pode administrar isso facilmente, sem prejuízo a saúde. O problema é a exposição prolongada em um ambiente que necessariamente deve estar fechado e com pouca circulação do ar para o bom funcionamento do aparelho. Também agrava o problema se o aparelho não contar com manutenção e limpeza periódica, o que fará circular partículas e organismos daninhos a saúde, sobretudo, se os alunos no caso forem crianças!

O ar-condicionado, utilizado com responsabilidade pode ser um excelente aliado para as pessoas, inclusive para aquelas que dormem, mas mantém a sensação de cansaço, mesmo após uma longa noite de sono. O que acontece nesse caso, principalmente em períodos de calor extremo, é que nosso organismo, segundo os neurocientistas, não consegue dormir com temperaturas acima de 28º. Isso ocorre porque achamos que estamos dormindo, mas não entramos no sono REM como deveríamos. Por isso nosso rendimento cai.

Outras soluções são possíveis para vencermos o desconforto e o prejuízo causado pelas altas temperaturas desse período. Aqui mesmo, em nosso município existe a fabricação de um equipamento que pode solucionar esse problema e ainda reduzir o impacto econômico que seria causado pela instalação de ar-condicionados em toda rede de ensino. Imagina para quanto iria a conta de energia se todas as salas de aula de nossa cidade tivesse de cumprir uma legislação como essa, se fosse o caso! Muito mais barato e eficaz seria a instalação de climatizadores evaporativos tubulados. Os ambientes não precisariam ser fechados, o ar sempre seria renovado e a temperatura seria abaixada da mesma forma. Apenas não se teria a sensação de ambiente gelado!

Tomara que nossos vereadores não venham a ser contaminados por essa ideia de propor a instalação de ar-condicionado em nossas escolas. Lógico que sou favorável a ideia de climatizar os ambientes, mas se estiverem pensando nisso, que optem por climatizadores que são muito mais econômicos (com relação ao consumo de energia), e eficazes para a saúde, já que seu funcionamento proporciona exatamente a renovação do ar do ambiente e a umidade que tão necessária é a nossa saúde.

Um comentário:

  1. Os problemas causados pela falta de manutenção seria sanado ao incluir periodicidades na limpeza dos mesmos. Quanto a mudança brusca de temperatura, isso ocorre a todo tempo... Estamos na rua, entramos em agencias bancárias, shopping, consultório.... Isso é frequente e nem por isso estamos doentes por isso, mas claro que alguns prejuízos podem vir, mas muito mais prejuízos temos numa sala de aula agitada pelo calor e suor insistente!

    ResponderExcluir

1 - Qualquer pessoa pode comentar no Blog “Um Asno”, desde que identifique-se com nome e e-mail.
a) Em hipótese alguma serão aceitos comentários anônimos.
b) Não me oponho quanto à reprodução do conteúdo, mas, por uma questão de responsabilidade quanto ao que escrevo, faço questão que a fonte seja citada.

2— Não serão aceitos no Blog “Um Asno” os comentários que:
1. Configurem qualquer tipo de crime de acordo com as leis do país;
2. Forem escritos em caixa alta (letras maiúsculas);
3. Estejam repetidos na mesma ou em notas diferentes;
4. Contenham insultos, agressões, ofensas e baixarias;
5. Reproduzam na íntegra notícias divulgadas em outros meios de comunicação;
6. Reúnam informações (e-mail, endereço, telefone e outras) de natureza nitidamente pessoais do próprio ou de terceiros;
7. Contenham links de qualquer espécie fora do contexto do artigo comentado;
8. Contenham qualquer tipo de material publicitário ou de merchandising, pessoal ou em benefício de terceiros.

Tecnologia do Blogger.