Observatório Social de Birigui

Últimos Artigos
recent

"Eu não vendi meu voto e quero que ele seja respeitado!"

Paço Municipal de Birigui - Um Asno
Algumas pessoas estão se mobilizando para realizar um ato na Praça James Mellor em Birigui (Paço Municipal), chamado no Facebook de "Eu não vendi meu Voto". A manifestação está prevista para ocorrer a partir das 8h e deverá percorrer algumas ruas da cidade. Li vários comentários na fã page do Pô Birigui, mas a opinião da publicitária e jornalista, Jeniffer de Lima Lobo, chamou minha atenção. O texto é excelente! Leiam, comento em seguida:
Lulu Santos cantou que considerava "justa toda forma de amor". Parafraseando o cantor e aproveitando a oportunidade, eu diria mais. Arriscaria dizer que considero "justa toda forma de democracia". Manifestar-se é um direito constitucional (Art. 5º, IV e LV) legítimo e pelo seu intermédio é possível se resgatar direitos e agregar valores. Ocorre que, acredito que estejamos presenciando um momento de inversão de alguns deles. A realização de uma manifestação que pretende valorizar e/ou reforçar votos não vendidos é tal qual o sujeito que se vangloria de fazer o bem e respeitar o próximo. É OBRIGAÇÃO! É chover no molhado, é subir pra cima, é descer pra baixo. É vivificar o mais gritante pleonasmo da democracia brasileira e tornar o errado, certo. Não vender votos (e não comprá-los) é um dever de todo e qualquer cidadão de bem. Não podemos comemorar algo que nos deveria ser virtude inerente ao caráter de bons cidadãos. Deveríamos, sim, comemorar a imparcialidade da Justiça Biriguiense em sua decisão, sem olharmos para os lados como admiradores ou apoiadores. Deveríamos olhar para o lado frio da pura justiça, enchermos o peito e comemorarmos a efetividade do que é realmente justo. Não foi Fulano ou Beltrano que sentenciaram o Executivo de Birigui. Foi a Justiça. Foi a Justiça quem aceitou a proposta da matéria; foi ela quem analisou as provas; ela quem verificou, comprovou, julgou e sentenciou. No entanto, se essa moda pega, logo mais teremos pessoas se manifestando e querendo méritos por terem respeitado a lei de trânsito, por terem pago seus impostos, por terem ajudado ao próximo, por terem sido fiéis aos seus cônjuges e outras tantas. Só um adendo: comprar votos é crime! E não importa se foram 1, 2, 3 ou 30 mil. O crime é o mesmo. Pô Birigui! Vamos manisfestar nossa dignidade. E não a indignação por ter sido feito o que era certo.
Minha vez...
Não há o que acrescentar ao comentário de Jeniffer. Está perfeito! O que eu gostaria de comentar é sobre a perigosa manobra que está sendo preparada para uma provável nova eleição em Birigui. O deputado articula para que só haja um único candidato, ou ele, ou um indicado por ele, caso o clima não seja favorável. Se houver mais de um candidato, o deputado poderá colher uma resposta avessa a sua intenção, mas se for apenas um, significa que com apenas um voto o mesmo pode ser eleito. Espia só! Se a maioria votar em branco ou nulo, o quociente eleitoral para que o candidato seja eleito reduz-se proporcionalmente (leiam aqui), portanto, o dito cujo será eleito por um detalhe técnico e teremos uma aberração da democracia. Alguém não eleito pelo jogo natural ocupará o cargo, ainda que a maioria não concorde.

Jeniffer está certa! Manifestarmos contra uma decisão judicial é o mesmo que os amigos dos mensaleiros fazem. A Justiça não foi arbitrária, foi apenas justiça, segundo as leis. E é segundo as leis que devemos lutar para que nossos direitos sejam preservados. Juízes não decidem sem analisar provas e interpretá-las sob a ótica da legislação. Se houve cassação é porque foi provado. Caberá aos réus provarem o contrário no recurso que lhes é concedido. Se forem inocentes a ambição do deputado será mais uma vez frustrada. Acho que a manifestação deve acontecer, mas para que aqueles que querem brincar com a democracia percebam que os eleitores, finalmente, estão alertas.

10 comentários:

  1. Provavelmente você acha que UM Juiz pode ser Deus! Nada prova nesse processo! Justica que soh enxerga o q quer ver!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para isso existem os recursos, caro Anônimo! Não há nada de errado com o processo judicial.

      Excluir
  2. Alias, você mesmo que conhece tão bem o nosso deputado e do que ele é capaz, deve bemmm saber que ele seria capaz de comprar a testemunha e muito mais. Esses processos estão planejados faz tempo por ele! Soh mais uma coisinha: Tinha fotos do nosso juiz no aniversario da neta do roquinho no facebook da filha dele. Eles apagaram. Juiz amigo íntimo da família do deputado. Estranho Asno, estranho. Já parou pra pensar que está havendo injustiça e voce vem falar de democracia?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para você, o mesmo comentário acima... Quanto a idoneidade do juiz, que acionem o CNJ.

      Excluir
  3. Tantoa opinião da fraquinha Jennifer como do autor do blog, o talNilson, são totalmente despidas de inteligência.A manifestação é democrática e criticá-la,como fazemos fraquinhos Jennifer e Nilson,é sem dúvida falta de cérebro de ambos, claramente a favor deRoque.Deveriam,sim,criticara a totalitarista declaraçaõ do deputado que quer um candidato só,fruto de seu coronelismo empedernido.A manifestação "não vendi meu voto" é perfeita, e não contesta a decisão judicial em nenhum momento.Apenas deixa claro que a possível venda de alguns votos não tira a honestidade de 5 mil votantes a mais.Jennifer e Nilson,usem o cérebro pela primeira vez em suas vidas.E comparar com o mensalão é de uma idiotice extrema.Lamentávela falta de inteligência dos dois...
    João Domingos
    plcize@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro João "Gênio" Rodrigues, acho melhor ler novamente o texto antes de questionar a inteligência dos outros. Pega mal pra você!! Não houve críticas a manifestação, eu estive lá e achei um momento histórico em nossa cidade. A crítica foi quanto a manifestações contrárias ao juiz (arbitrariedade), que você parece estar confundindo com defesa ao deputado. Aliás, a comparação com o mensalão foi justamente para ilustrar o que estavam fazendo: criticando os juízes que apenas seguiram a letra da lei. Estou a disposição para colocar sua opinião no blog: nilson@umasno.com.br

      Excluir
  4. Enquanto fica esta briga de Pedro e Roque, esquecem do Maçaru.
    Ele não teve uma votação expressiva nesta eleição, mas na minha modesta opinião deveria ele assumir a Prefeitura, pois seria um excelente Prefeito. Apostem nisso.

    ResponderExcluir
  5. Provavelmente você acha que UM Juiz pode ser Deus! Nada prova nesse processo! Justica que soh enxerga o q quer ver!

    Existe uma recíproca que é verdadeira, no que tange este questionamento...
    A justiça tem uma tramitação que baseia-se em uma ciência jurídica... Não em quimeras... Se houvesse ausência de provas garantiria por si só a nulidade do fato...


    ResponderExcluir
  6. Asno, parabéns pelo artigo... Acabei por lê-lo, mesmo com meu tempo exíguo... Não obstante, devo salientar o quanto são profícuas suas observações...
    E lendo o aresto, pude verificar a solidez dos fatos...

    ResponderExcluir

1 - Qualquer pessoa pode comentar no Blog “Um Asno”, desde que identifique-se com nome e e-mail.
a) Em hipótese alguma serão aceitos comentários anônimos.
b) Não me oponho quanto à reprodução do conteúdo, mas, por uma questão de responsabilidade quanto ao que escrevo, faço questão que a fonte seja citada.

2— Não serão aceitos no Blog “Um Asno” os comentários que:
1. Configurem qualquer tipo de crime de acordo com as leis do país;
2. Forem escritos em caixa alta (letras maiúsculas);
3. Estejam repetidos na mesma ou em notas diferentes;
4. Contenham insultos, agressões, ofensas e baixarias;
5. Reproduzam na íntegra notícias divulgadas em outros meios de comunicação;
6. Reúnam informações (e-mail, endereço, telefone e outras) de natureza nitidamente pessoais do próprio ou de terceiros;
7. Contenham links de qualquer espécie fora do contexto do artigo comentado;
8. Contenham qualquer tipo de material publicitário ou de merchandising, pessoal ou em benefício de terceiros.

Tecnologia do Blogger.