Observatório Social de Birigui

Últimos Artigos
recent

Por que o Mundo Vencerá o Coronavírus em 2020 e o Brasil Não?

Coronavírus - Blog do Asno
Os apóstolos do divino messias Bolsonaro ficarão irritadíssimos, mas é impossível não ponderar o atual estado das coisas e não refletir sobre como nos prestamos e consentimos a instalação de um desastre que poderia ter sido evitado. Não há dúvidas de que o Brasil já iria capotar com ou sem o COVID-19, mas a pandemia será a cereja no bolo! Já é possível saber quais serão as justificativas e desculpas para o capote inevitável através das bazófias e falácias do governo atual. O Coronavírus fez um grande favor a Bolsonaro para justificar seu fracasso na Economia que já começava a se solidificar graças a sua covardia e estupidez em retirar do congresso a discussão para as reformas Tributária e Administrativa. Mas, afinal, por que as principais nações serão afetadas pela pandemia mas não sofrerão como nós as consequências futuras? Resposta curta e simples: cometemos imperdoáveis erros no passado e continuamos olhando as coisas pelo lado errado da solução.

A começar pela grande confusão armada pelas lideranças que escolhemos. Primeiro por que o discurso falacioso de que o Brasil vinha decolando na economia só engana trouxa. Basta revisitar os números para ver que a economia global e no país já vinha derrapando. Afinal, nosso maior parceiro comercial, a China, amargou um encolhimento de 7% em 2019 e o vírus ainda nem havia dado as caras. Segundo porque o nosso governo se presta a desviar o foco para discursos mentirosos. Existe uma diferença entre apontar a negligência do governo chinês em não informar sobre o COVID-19 e acusar o mesmo governo de ter fabricado o vírus para infectar o mundo. Pior do que qualquer vírus é o funcionamento da mente das lideranças políticas atuais (no mundo inteiro). Em 12 de dezembro de 2019 a China também pensou primeiro na economia e por isso tentou omitir o que estava acontecendo e atrasou o comunicado ao mundo até um mês depois. Resultado, ela também sofrerá os efeitos disso. Mas, e nós? Como chegamos a esse ponto? Simples novamente!

Nunca fomos bons em escolher representantes que cuidassem do país e dos interesses da nação adequadamente. Tomemos apenas nossa história recente, como exemplo, onde os bilhões arrecadados em impostos serviram a tudo, menos para as reais necessidades da população que os pagou. Espia só! Gastamos quase R$ 10 bilhões em construção de estádios apenas para um evento, a Copa 2014. Quantos leitos de hospitais poderiam ter sido agregados ao sistema de saúde? Outra cagada? Investimos pouco mais de 1% do PIB em tecnologia e inovação.

Enquanto o mundo avança na revolução 4.0, o Brasil regressa à condição de exportador de commodities sem valor agregado. Nossa indústria, com os piores índices de intensidade tecnológica, responde por apenas 1,8% da produção mundial contra os 34% da China que estava no buraco não faz muito tempo (1998). É o famoso dilema de Tostines: as grandes nações não investem em ciência e tecnologia por serem ricas, são ricas porque investem em ciência e tecnologia.

Já ficou claro de quem é a culpa por estarmos diante da maior tragédia brasileira dos últimos 500 anos? Mais uma vez a resposta é ainda mais curta e absurdamente simples: Nós! Não percebeu ainda que somos os responsáveis por esse ciclo interminável de ineficiência estatal? Quantos bilhões mais do nosso dinheiro suado precisaremos ver queimados em obras inacabadas e depois demolidas, projetos bilionários jamais levados a cabo e bilhões desperdiçados para fazer funcionar uma máquina velha, cuja manutenção não é mais viável. Estou falando apenas de ineficiência! A conta da corrupção nem chega aos pés dessa fatura! Somos arrogantes o suficiente para achar que entendemos de tudo: ciência, tecnologia, medicina, engenharia e até de futebol! Contudo, na verdade somos uma população medíocre que escolhe para si líderes ainda mais medíocres, sabe-se lá o porquê! Talvez para termos assunto nos botecos e salões de manicures.

Os sucessivos governos brasileiros não foram capazes de superar a Dengue e o Sarampo, não foram capazes de levar saneamento básico além dos 40% dos lares brasileiros, não foram capazes de levar uma vida digna para mais de 70% da população e não foram capazes de mitigar minimamente os problemas de educação e renda no país. E o nosso atual governante ainda quer pagar de iluminado/ungido para enfrentar o Coronavírus? Baita arrogância apostar com a vida dos brasileiros dizendo que é só jogar a culpa "no colo" dele se for provado o seu equívoco.

Em março de 2015 registrei minhas impressões sobre o que aconteceria com a economia mundial (link). De alguma forma eu estava certo, só não imaginei que seria algo tão pequeno (um vírus!). A Pandemia será deixada para trás e daqui alguns anos esquecida como todas as outras anteriores. Sabe o que não mudará? Nossa mentalidade rasa de pensar nosso modelo de representação política. Seguiremos repetindo nossos erros deixando que lunáticos conduzam nossa vida, mas agora com uma diferença. Fomos ultrajantemente colocados no nosso lugar. O COVID-19 nos mostrou que somos tão nanicos e despreparados que não fomos capazes de lidar de forma inteligente com a menor das criaturas: um vírus. As marcas dessa crise serão irreparáveis e uma mudança radical de nossa cultura do "vai assim mesmo" será exigida. Não soubemos escolher antes e duvido que aprenderemos ainda nessa metade do século. Perderemos mais essa oportunidade...

Nenhum comentário:

1 - Qualquer pessoa pode comentar no Blog “Um Asno”, desde que identifique-se com nome e e-mail.
a) Em hipótese alguma serão aceitos comentários anônimos.
b) Não me oponho quanto à reprodução do conteúdo, mas, por uma questão de responsabilidade quanto ao que escrevo, faço questão que a fonte seja citada.

2— Não serão aceitos no Blog “Um Asno” os comentários que:
1. Configurem qualquer tipo de crime de acordo com as leis do país;
2. Forem escritos em caixa alta (letras maiúsculas);
3. Estejam repetidos na mesma ou em notas diferentes;
4. Contenham insultos, agressões, ofensas e baixarias;
5. Reproduzam na íntegra notícias divulgadas em outros meios de comunicação;
6. Contenham links de qualquer espécie fora do contexto do artigo comentado;
7. Contenham qualquer tipo de material publicitário ou de merchandising, pessoal ou em benefício de terceiros.

Tecnologia do Blogger.