Observatório Social de Birigui

Últimos Artigos
recent

O poder de realização das palavras... Ou coisa parecida!

Palavras Podem Machucar - Um Asno
Domingo fui visitar a "Pérola do Pontal", a bela cidade mineira Iturama, uma cidade em franca expansão e localizada no Triângulo Mineiro. Na realidade, ao menos uma vez por ano levo minha avó materna para que visite seu irmão naquela cidade. Como gosto da estrada, a viagem me agrada e me faz bem, pois gosto muito mais dos itinerários do que dos objetivos. Como meu humor, na maioria das vezes, é meio ácido e costumo soltar algumas pérolas provocativas, isso me valeu uma advertência da minha prima. Minha prima, em segundo grau, porque é prima da minha mãe, tem uma história de superação muito bonita e tem adquirido brilho próprio a cada dia. Sua advertência era para me calar porque, segundo seu ponto de vista, as palavras têm poder!

Bom, este é um campo que, particularmente, domino com uma certa desenvoltura, pois, não tem nada que eu não tenha experimentado e analisado mais do que essa crença no poder de realização das palavras e do pensamento positivo. Prometi a minha prima, cuja graça vai além do próprio nome, que escreveria algo em especial sobre sua opinião e o farei agora. Todo mundo já ouviu alguma coisa sobre o poder das palavras e do pensamento positivo. Todo mundo já ouviu dizer o quanto as palavras podem libertar e oprimir, alegrar e entristecer, fazer viver e fazer morrer, aliviar e angustiar, rir e chorar, incentivar e esmorecer, amar e odiar e assim, tantas coisas mais. Sem querer me alongar desnecessariamente em questões técnicas e históricas, sem especular o que vai dito em João 1:1 e de outras fontes de cunho sagrado ou místico a respeito do poder do verbo, vou simplesmente tratar de fatores menos abstratos. As palavras marcam nossas escolhas, assumem o valor das coisas quando as nominamos, mas sobretudo, compõem nosso caráter.

Este artigo não pretende discutir os vários estudos acerca do pensamento positivo e das palavras como fonte de poder realizador. Existe vasta literatura a respeito e o espaço exigido seria enorme. Vou me limitar apenas a responder a minha prima. Palavras têm exatamente o poder que lhe emprestamos proporcionalmente com a emoção que associamos a elas! Ficou confuso? Simples... Um palavrão, um vício horrível de linguagem, uma palavra empregada de maneira, aparentemente negativa, tem tanto poder quanto uma belíssima palavra, um formidável elogio, ou mesmo uma declaração de amor desprovido de sentimento. Palavras não têm força e nem sentido para as diversas formas que a energia se apresenta em nosso mundo fenomenal. Sozinhas não são nada mais do que articulações resultantes de um processo evolutivo e organizado da comunicação. Tem a força que lhes emprestamos, só isso. Se alguém me ofende gravemente, pode me causar danos permanentes na minha forma de pensar e, por consequência, nas minhas ações. Mas só se eu lhes emprestar esta autoridade!

Um elogio também pode ser uma bajulação e, dependendo da situação, causa mais danos do que benefícios àquele que o recebe. Muitas vezes queremos falar algo, mas a forma ou a nossa expressão acaba nos traindo. A impressão que isso causa a pessoa que recebe de maneira negativa o que ouviu só tende a prejudicá-la se carregar essas palavras com suas emoções negativas. Simplificando: palavra alguma tem poder de realizar nada se não vier acompanhada de uma emoção equivalente. Quando estamos decididos e bradamos com toda a intensidade um "sim, eu posso" e com a mesma intensidade, carregamos a articulação de cada sílaba com um sentimento elevado de autoconfiança e disposição para vencer, com certeza, experimentaremos algo magnífico como a transformação de nossa autoestima e isso nos levará, consequentemente, a situações de superação e vitória. O que acontece é simplesmente químico! Toda emoção, positiva ou negativa, vai desencadear processos que liberarão mais ou menos substâncias que nos levarão, ou não, a certas atitudes. Como as palavras estão associadas a "coisas", segundo nossos paradigmas, elas podem nos ajudar a definir melhor nossos objetivos e a focar nossos esforços de maneira que as metas sejam alcançadas um pouco mais rápido.

O perigo no uso das palavras de maneira mecânica, ou seja, através de vícios de linguagem, é que "o homem fala como age, age como pensa e pensa como sente". Portanto, tudo o que falamos carrega um pouco da energia que empregamos em nossas emoções e ações. O problema reside em combinar palavras inapropriadas com o tripé: Pensar, Agir e Sentir! O que se deve evitar a qualquer custo, pois os danos são evidentes, são: a mentira, a maledicência (fofoca!), e as palavras que agridem. Vulgaridade, ou os ditos palavrões, nem sempre tem a origem que pensamos. Em outros tempos tinham bons significados. Do mesmo modo, algumas palavras que hoje pronunciamos livremente, em outras épocas eram extremamente pejorativas. A mesma coisa acontece quando trocamos de cultura. Como exemplo, temos a palavra associada ao ato de torcer que no México é "Porra"!

Há muita confusão nas palavras, nas interpretações e nas compreensões. Isso acontece devido a nossa cultura. Por isso tem tanta gente boa e inteligente falando besteira em muitas ocasiões. Relacionamentos naufragam por excesso de palavras mal compreendidas e até por ausência das palavras apropriadas. Um dos segredos do falar é a fala emocionada, com vida, com paixão, com os olhos, com os gestos, com a alma e até mesmo com o silêncio. Quantas vezes falamos demais, falamos besteiras, falamos o que não sabemos, falamos para a pessoa errada, no momento errado e da forma errada. Com absoluta certeza, escutar e silenciar são artes que precisamos aprender e exercitar.

Palavras são apenas troca! Não realizam nada, nós é que realizamos quando acreditamos e lhes emprestamos a força que nos move a agir! Não existem palavras ruins. Pessoas ganham a vida proferindo palavras, supostamente grosseiras, mas que fazem rir multidões inteiras quando ditas em contexto. Pessoas descarregam seus "demônios" quando soltam o verbo naquela ocasião angustiante que exigia um simples PALAVRÃO! Não temam as palavras, temam o preconceito que antecipa a sua compreensão. Vale o mesmo para o pensamento positivo! Sem as emoções adequadas, não valem nada! Abraços fraternais a todos!

Nenhum comentário:

1 - Qualquer pessoa pode comentar no Blog “Um Asno”, desde que identifique-se com nome e e-mail.
a) Em hipótese alguma serão aceitos comentários anônimos.
b) Não me oponho quanto à reprodução do conteúdo, mas, por uma questão de responsabilidade quanto ao que escrevo, faço questão que a fonte seja citada.

2— Não serão aceitos no Blog “Um Asno” os comentários que:
1. Configurem qualquer tipo de crime de acordo com as leis do país;
2. Forem escritos em caixa alta (letras maiúsculas);
3. Estejam repetidos na mesma ou em notas diferentes;
4. Contenham insultos, agressões, ofensas e baixarias;
5. Reproduzam na íntegra notícias divulgadas em outros meios de comunicação;
6. Reúnam informações (e-mail, endereço, telefone e outras) de natureza nitidamente pessoais do próprio ou de terceiros;
7. Contenham links de qualquer espécie fora do contexto do artigo comentado;
8. Contenham qualquer tipo de material publicitário ou de merchandising, pessoal ou em benefício de terceiros.

Tecnologia do Blogger.