Observatório Social de Birigui

Últimos Artigos
recent

Qual foi mesmo a atuação do “chefe de quadrilha” no mensalão?

Mensalão - Um Asno
A canalhada petralha que fica gritando na rede, organizada pelo JEG (Jornalismo da Esgotosfera Governista), que é alimentado por dinheiro público (o crime continua…) quer fazer de conta que o mensalão não passou, assim, de uma impressão, de algo vago, de um preconceito. Se você clicar aqui, terá acesso às 136 páginas da denúncia apresentada pela Procuradoria Geral da República ao STF. Ali está uma síntese da tramoia do mensalão. Destaco abaixo apenas alguns trechos em que aparece o nome do que foi designado como “chefe da quadrilha”: José Dirceu.

É importante relembrar os crimes cometidos e do que essa gente foi acusada, especialmente agora, quando os larápios usam as lambanças de Carlinhos Cachoeira — muito mais presente no governo federal do que eles admitem — para tentar declarar inocência. Leiam alguns trechos.

José Dirceu, o chefe
Com a base probatória colhida, pode-se afirmar que José Genoíno, até pelo cargo partidário ocupado, era o interlocutor político visível da organização criminosa, contando com o auxílio direto de Sílvio Pereira, cuja função primordial na quadrilha era tratar de cargos a serem ocupados no Governo Federal. Delúbio Soares, por sua vez, era o principal elo com as demais ramificações operacionais da quadrilha (Marcos Valério e Rural), repassando as decisões adotadas pelo núcleo central. Tudo sob as ordens do denunciado José Dirceu, que tinha o domínio funcional de todos os crimes perpetrados, caracterizando-se, em arremate, como o chefe do organograma delituoso.

(…)
Merece destaque, para o completo entendimento de todos os mecanismos de funcionamento do esquema, a relevância do papel desempenhado por José Dirceu no Governo Federal. De fato, conforme foi sistematicamente noticiado pela imprensa após o início do Governo atual, José Dirceu inegavelmente era a segunda pessoa mais poderosa do Estado brasileiro, estando abaixo apenas do Presidente da República. Assim, a atuação voluntária e consciente do ex Ministro José Dirceu no esquema garantiu às instituições financeiras, empresas privadas e terceiros envolvidos que nada lhes aconteceria, como de fato não aconteceu até a eclosão do escândalo, e também que seriam beneficiados pelo Governo Federal em assuntos de seu interesse econômico, como de fato ocorreu.

Dinheiro para o PTB e as teles
Trata-se da execução do acordo estabelecido entre o núcleo central da quadrilha e o PTB, um dos Partidos que teve seu apoio político adquirido pela organização. Nos termos relatados pelo seu ex Presidente, Roberto Jefferson, parte dos recursos referentes aos R$ 20 milhões que iam ser transferidos pelo PT ao PTB seriam obtidos em transação referente à aquisição da empresa TELEMIG pela Brasil Telecom, operação acompanhada diretamente pelo ex Ministro José Dirceu.


O uso do dinheiro público

Desta forma, Marcos Valério, já contando com o apoio operacional dos dirigentes do Banco Rural, ofereceu a sua estrutura a José Dirceu, José Genoíno, Sílvio Pereira e Delúbio Soares, além de outros integrantes do Governo ou do Partido dos Trabalhadores, com a finalidade de desviar recursos públicos e transferir valores não contabilizados para compra de apoio político e pagamento (pretérito e futuro) de campanhas eleitorais.

Em seus depoimentos na Polícia Federal e na Procuradoria Geral da República, Marcos Valério deixou bem claro que as empresas de publicidade vinculadas aos grupos políticos vencedores das eleições são beneficiadas nos contratos com a administração pública. Nesse contexto, apurou-se que Marcos Valério, cujas empresas de publicidade já mantinham contratos com o Banco do Brasil, Ministério do Trabalho e Eletronorte, logrou êxito, a partir do seu relacionamento com o Partido dos Trabalhadores, em renovar essas avenças, o que seria pouco provável caso fosse um publicitário desconhecido de integrantes da cúpula do Governo ou do Partido, como por ele próprio declarado.

Também manteve a contratação com o Ministério dos Esportes firmada em 2001 e agregou uma das contas de publicidade dos Correios (licitação ocorrida em 2003).

Em dezembro de 2003, o seu relacionamento com José Dirceu, José Genoíno, Delúbio Soares e Sílvio Pereira, entre outros, rendeu-lhe resultados mais positivos ainda, pois obteve a importante conta de publicidade da Câmara dos Deputados, que se encontrava sob a Presidência do Deputado Federal João Paulo Cunha, cuja campanha à Presidência desse órgão foi realizada por uma das empresas dos denunciados Marcos Valério, Ramon Hollerbach, Cristiano Paz e Rogério Tolentino.

Até assuntos pessoais
Marcos Valério também confirmou que se valeu da sua influência junto aos Bancos Rural e BMG para solucionar problema enfrentado pela ex-esposa do então Ministro José Dirceu, que pretendia vender o seu imóvel, obter um empréstimo e arrumar um emprego. Marcos Valério e Rogério Tolentino resolveram todas as três pendências acima, o que evidencia a troca de favores no esquema. O Diretor do Banco BMG ouvido pela CPMI no dia 20/09/2006, Ricardo Guimarães, confirmou que, a pedido de Marcos Valério, a ex esposa de José Dirceu, Sra. Maria Ângela Saragoza, foi contratada em novembro de 2003 pelo Banco BMG34.

Por Reinaldo Azevedo


No dia 01/11/2010, aproximadamente com vinte minutos de entrevista, no programa Roda Viva, exibido na Rede Cultura, após se defender e negar todas as denúncias contra ele, José Dirceu adimitiu que o único erro que o PT cometeu foi o de Caixa 2, mas quanto a isso, o partido tomou medidas exemplares e energicas demitindo Delúbio Soares e desfiliando Silvio Pereira (ambos recebidos com muita festa de volta ao PT). Se era verdade o que dizia José Dirceu, a única atitude digna tomada pelo partido foi pro ralo!

Agora sim! Eu e esse pessoal que me acompanha e ainda defende que na política haja Moral, Ética, honestidade, bons costumes, somos todos uns alienados. Não nos convencemos, ainda, de que crime é coisa em que só a burguesia e a classe média acreditam? A turma do “Grande Milagre do Lula” não dá a menor pelota pra nossos pruridos pequeno-burgueses, pois sabem que “nunca antes neste país” houve tanto incentivo à impunidade.

Por conseguinte, esqueçamo-nos de mensalão, das CPIs e de todas essas alienações. Malfeitos são aquilo a que antigamente se dava o nome de crime. Agora, eles se chamam “malfeitos”, mas apenas quando descobertos; em caso contrário, são “bem-feitos”. E, mesmo quando descobertos, sempre dá pra dar uma ajeitadinha, de modo que o feito fica pelo não feito, e o malfeito se torna bem-feito. Entenderam? 

Tenho minhas dúvidas quanto ao desfecho deste caso e, a exemplo do que aconteceu com a CPI do Bingo, teremos em 2013 trinta e oito indivíduos inocentados e prontos para receber o voto indulgente dos eleitores. Não sei ainda porque tanto esforço de pessoas que tentam defender parlamentares com conduta questionável. Até parece que somos seus lacaios e não eles os nossos funcionários! O negócio é curtir a vida, né mesmo?

2 comentários:

  1. chega dessa palhaçada pô!!! pq vc não fala do psdb é seu partido poracaso??

    ResponderExcluir
  2. Sabe o significado da palavra "Apartidário"? Além do mais, tô sem assunto... manda pra mim alguma coisa.

    ResponderExcluir

1 - Qualquer pessoa pode comentar no Blog “Um Asno”, desde que identifique-se com nome e e-mail.
a) Em hipótese alguma serão aceitos comentários anônimos.
b) Não me oponho quanto à reprodução do conteúdo, mas, por uma questão de responsabilidade quanto ao que escrevo, faço questão que a fonte seja citada.

2— Não serão aceitos no Blog “Um Asno” os comentários que:
1. Configurem qualquer tipo de crime de acordo com as leis do país;
2. Forem escritos em caixa alta (letras maiúsculas);
3. Estejam repetidos na mesma ou em notas diferentes;
4. Contenham insultos, agressões, ofensas e baixarias;
5. Reproduzam na íntegra notícias divulgadas em outros meios de comunicação;
6. Reúnam informações (e-mail, endereço, telefone e outras) de natureza nitidamente pessoais do próprio ou de terceiros;
7. Contenham links de qualquer espécie fora do contexto do artigo comentado;
8. Contenham qualquer tipo de material publicitário ou de merchandising, pessoal ou em benefício de terceiros.

Tecnologia do Blogger.